Dente é o mais antigo resto de hominídeo da Europa

O novo achado, de 1,2 milhão de anos, supera em 400.000 anos os restos mais antigos de ancestrais humanos encontrados anteriormente na Europa

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 08h54

Um dente encontrado na localidade espanhola de Atapuerca em 27 de junho e apresentado nesta sexta-feira, 29, confirma a presença de hominídeos na Europa há 1,2 milhão de anos, segundo os responsáveis pelo sítio arqueológico em Burgos, no norte do país. O novo achado supera em 400.000 anos os restos mais antigos de ancestrais humanos encontrados anteriormente na Europa, da espécie Homo antecessor e também localizados em Atapuerca. Segundo um dos responsáveis pelo achado, José María Bermúdez de Castro, o dente é um segundo pré-molar inferior, "provavelmente de um indivíduo entre 20 e 25 anos". O cientista diz que sua equipe aproveitará o mês de julho para estudar o dente, a fim de levantar dados para publicação em revistas especializadas. Mesmo sem um estudo científico mais aprofundado, Bermúdez de Castro diz que a idade do dente deve ser superior a 1,2 milhão de anos, porque este é o período da camada de solo da onde ele foi extraído. O pesquisador reconhece, no entanto, que o dente não basta para precisar a espécie do hominídeo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.