Dentistas se queixam de nova tabela imposta por planos

Cinquenta entidades, entre sindicatos e conselhos regionais de odontologia, se reúnem hoje, em Salvador, para definir medidas contra a Rede Unna, que integrou a operação de nove planos odontológicos. Os dentistas conveniados aos planos se queixam da nova tabela imposta, com valores até 65,5% mais baixos. Entre as propostas discutidas está a de questionar juridicamente a fusão operacional dos planos e de fazer uma consulta ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

CLARISSA THOMÉ, Agência Estado

02 Março 2012 | 07h16

"Em tese, acredito que se trata de um cartel. Se for o caso, vamos agir juridicamente", afirma Arnaldo Garrocho, presidente do Conselho Regional de Odontologia (CRO) de Minas Gerais. A Rede Unna integrou a operação de Bradesco Dental, OdontoPrev, Sepao, Prontodente, Rede Dental, Biodent, Care Plus Dental, Dentalcorp e OdontoServ, que juntos respondem por 42% do mercado de planos odontológicos. Para o cliente, nada mudou - até as carteirinhas continuam as mesmas. Já os dentistas tiveram de assinar novo contrato com a Rede Unna, passaram a prestar contas a um só sistema, e receberam nova tabela para o ressarcimento dos procedimentos. E aí se concentram as críticas.

"Eles uniram as nove empresas e nivelaram o valor dos procedimentos pelo mais baixo. A Rede Unna paga R$ 2,47 por uma radiografia, quando antes o dentista recebia R$ 7,07", afirmou Afonso Fernandes da Rocha, presidente do Conselho Regional de Odontologia (CRO) do Rio de Janeiro. Apesar das queixas, 80% dos dentistas fecharam contrato com a Rede Unna, informa a OdontoPrev S.A., que está à frente da operação. A empresa informa ainda que aceita negociar individualmente. "É o lado sujo da história. Se o plano tem interesse na permanência do dentista, volta com segunda oferta mais vantajosa. Mas que garantias o profissional vai ter?", questiona Rocha.

Também é considerada abusiva a exigência de anexar ao prontuário do paciente radiografia anterior e posterior ao tratamento, como forma de comprovar o atendimento. A cobrança contraria portaria 453 do Ministério da Saúde, que proíbe exames radiológicos para fins periciais. "A radiografia tem efeito cumulativo e por isso só pode ser realizada se tiver vantagem para o paciente. Em vez de contratar um perito para auditar os tratamentos - e não somos contra isso -, essas empresas usam radiografias. É uma economia em prejuízo do paciente", afirma Arnaldo Garrocho.

A Bahia foi o primeiro Estado a se levantar contra as mudanças. "Desde janeiro estamos suspendendo progressiva e alternadamente o atendimento a esses planos. E orientamos para que os dentistas não assinem novos contratos. Só não suspendemos completamente para não prejudicar a sociedade", afirmou Antônio Falcão, conselheiro-secretário do CRO da Bahia.

Nas cidades fluminenses de Resende, Itatiaia, Porto Real, Barra Mansa, Volta Redonda, Rio das Ostras e Macaé (onde se concentram indústrias e terceirizadas da Petrobrás) também houve paralisação do atendimento. Os pacientes foram orientados a procurar o RH das suas empresas e a ANS para se queixar das mudanças no plano. No Rio, o conselho inicia uma campanha publicitária em rádio, jornal e televisão, a partir de segunda-feira, defendendo a paralisação do atendimento de planos. "Queremos abrir os olhos do público para a situação precária, em que os valores pagos pelas operadoras nem sequer cobrem os custos com o procedimento, quanto mais os custos de consultório", afirmou Afonso Rocha.

Outro lado

O presidente da OdontoPrev S.A, operadora que controla a Rede Unna, Randal Zanetti, afirmou que a decisão de unificar as operações dos planos dentários não tinha como objetivo a redução de valores. "Unificamos tabelas que não conversavam entre si. Não sei se por desinformação, as pessoas estão pegando meia dúzia de eventos de reduções pontuais. No cômputo geral, a remuneração média tende a aumentar e não a cair".

De acordo com Zanetti, as empresas foram incorporadas pela OdontoPrev nos últimos cinco anos. Havia modelos de negócios, tabelas de preços e rede credenciada diferentes. "Não era gerenciável", diz. Ele afirmou que a adesão à Rede Unna é voluntária e não significa a exclusão do profissional do plano, caso este não aceite migrar.

"Estão alegando que usamos a nossa escala para pressionar dentistas a receberem menos. Temos 42% dos beneficiários e 45% de volume de pagamentos feitos a dentistas. No mínimo, estamos pagando a média do mercado", afirmou. "São os conselhos que estão forçando uma negociação coletiva".

Ele negou ainda que os dentistas sejam obrigados a apresentar radiografias para comprovar o atendimento. O executivo explicou que a operadora solicita que exames realizados, a critério do profissional, sejam encaminhados para a empresa para que sejam avaliados num trabalho interno de segunda opinião, feito por dentistas.

Mais conteúdo sobre:
saúdeplanos odontológicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.