Depois de ameaçar a revolução sexual, herpes declina nos EUA

Quase 25 anos depois de o herpes genital ter sido declarada uma ameaça à revolução sexual na capa da revista Time, uma nova pesquisa registra um declínio no número de americanos infectados pelo vírus. Em 1982, a matéria de capa da Time tinha a manchete "A Nova Letra Escarlate" e soava um alerta que hoje parece quase ingênuo, frente à epidemia de aids que emergiu nos nãos seguintes.O novo estudo mostra uma queda de 19%, desde 1994, na porcentagem de americanos com idade entre 14 e 49 anos que testaram positivo para herpes tipo 2, a causa mais comum das feridas da herpes genital. O declínio é especialmente pronunciado entre os jovens.As descobertas, que serão publicadas na edição de quarta-feira do Journal of the American Medical Association, são prova de uma redução no comportamento de risco entre os jovens, diz o principal autor do trabalho, Fujie Xu, do Centro para Controle e prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.Ironicamente, as taxas de contaminação caíram para o mesmo nível em que estavam quando a soltou seu alerta, diz o co-autor Stuart Berman. "Se era a Letra Escarlate então, não sei como chamar agora, e há o HIV por aí", disse Berman. O herpes aumenta a chance de contaminação por HIV.

Agencia Estado,

22 de agosto de 2006 | 17h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.