Nick Cobbing/Reuters
Nick Cobbing/Reuters

Derretimento da calota polar abre novas rotas para Ásia

Tragédia ambiental gera entusiasmo com menor duração de viagens marítimas entre a Europa e o continente asiático

, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2010 | 00h00

DER SPIEGEL

Eles esperavam encontrar gelo espesso, icebergs e tempestades. Como medida de precaução, um quebra-gelo russo foi enviado para proteger o cargueiro MV Nordic Barents dos flagelos do Oceano Ártico. Mas, no fim, apenas alguns pedaços menores de gelo passaram pela embarcação, em duas ocasiões.

"O quebra-gelo nuclear desempenhou papel de figurante", diz Felix Tschudi, funcionário da transportadora que alugou o cargueiro carregado de minério de ferro. Nesta semana, após percorrer 5,7 mil quilômetros no Oceano Ártico, o navio chegará ao porto chinês de Lianyungang. "E não tivemos de parar nenhuma vez", diz Tschudi.

Com um misto de esperança e suspeita, transportadoras marítimas, políticos e ambientalistas observam o quanto o gelo marítimo recuou em direção ao Polo Norte neste ano. Será que o derretimento da calota polar vai provocar uma reviravolta nas rotas comerciais marítimas?

Em relatório lançado há duas semanas, o Centro Nacional de Dados de Gelo e Neve dos EUA informou que a cobertura de gelo do Ártico parece ter atingido seu nível mínimo para este ano, sendo a terceira menor extensão anotada desde o início das observações por satélite, em 1979.

O gelo do Ártico cobriu uma área média de 6 milhões de quilômetros quadrados, 22% abaixo da média 1979-2000. Este ano teve o 14.º mês de agosto consecutivo com gelo abaixo da média.

Há algumas semanas, o petroleiro russo Baltika, com 70 mil toneladas de gás condensado, navegou sem problemas do porto russo de Murmansk até a cidade chinesa de Ningbo, atravessando o Ártico. O transporte de mercadorias pela rota polar está cada vez mais se tornando rotina.

Isso aproxima a Ásia da Europa. A rota percorrida pelo MV Nordic Barents do porto norueguês de Kirkenes até a China foi encurtada em cerca de 50%. "Isso nos poupou 15 dias de viagem marítima", diz Tschudi.

Novo canal. Será que o oitavo oceano do mundo está se transformando em uma "versão "transártica" do canal do Panamá", como disse o entusiasmado presidente islandês Ólafur Ragnar Grímsson?

De fato, além de abrir a rota marítima setentrional ao longo da costa russa do Ártico e da Sibéria até o Extremo Oriente, a mudança climática está desbloqueando a Passagem Noroeste e abrindo uma trilha pelo coração do Ártico canadense.

Entre 1906 e 2006, somente 69 navios enfrentaram a temida viagem. Entretanto, o especialista canadense em lei marítima Michael Byers contou 24 navios percorrendo a rota somente no ano passado.

Nos países que fazem parte do Círculo Polar Ártico, uma nova frota de embarcações começa a tomar forma, projetada para finalmente conquistar essa área e acrescentá-la às rotas comerciais do mundo. Entretanto, esses cargueiros marítimos não poderão dispensar completamente a proteção contra o gelo.

"Mesmo nos meses de verão, esperamos encontrar alguns blocos de gelo isolados", diz o pesquisador Lawson Brigham, um dos autores daquele que deve ser o mais completo estudo das novas rotas marítimas do Ártico. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.