Desaceleração da economia chinesa não afetará Suzano--presidente

As perspectivas de desaceleração na economia chinesa não preocupam a Suzano Papel e Celulose apesar de a Ásia representar o maior volume de exportação de celulose da empresa.

REUTERS

10 Maio 2012 | 12h52

"Acredito que o PIB da China vai desacelerar um pouco, mas não o suficiente para afetar nossos projetos", disse o presidente da empresa Antonio Maciel Neto, em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira.

No primeiro trimestre, a Ásia respondeu por 35 por cento do volume de vendas de celulose da empresa.

Sobre a Europa, Maciel ressaltou que não vê os mesmos impactos ocorridos na crise de 2008. "Não vemos acontecer com o PIB da Europa o que aconteceu em 2008. Vemos a Europa sem crescer, mas não com aquela redução de 2008", disse.

O diretor financeiro da empresa, Alberto Monteiro, destacou ainda que a recente valorização do dólar terá um impacto positivo nas receitas de exportação da Suzano, favorecendo os próximos resultados.

"A empresa tem vocação para o dólar e o dólar alto para a gente é melhor", disse o executivo.

(Reportagem de Roberta Vilas Boas)

Mais conteúdo sobre:
PAPELECELULOSE SUZANO CHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.