Desastres naturais custaram US$ 200 bilhões em 2005

Os desastres naturais causaram prejuízos de cerca de US$ 200 bilhões em 2005, um preço especialmente alto para os países em desenvolvimento atingidos e que a Organização Meteorológica Mundial (WMO, em inglês) quer reduzir por meio do reforço de programas de prevenção e alerta antecipado.Comemorando o Dia Mundial da Meteorologia, a WMO alertou nesta quinta-feira para a necessidade de reforçar a prevenção para diminuir tanto a perda de vidas provocada pelos desastres naturais quanto os efeitos devastadores na economia dos países afetados.O secretário-geral da organização ligada à ONU, Michel Jarraud, destacou em um comunicado que "90% dos desastres naturais estão vinculados ao tempo, ao clima e à água".PrejuízosDo ponto de vista meteorológico e climático, 2005 foi um dos anos mais difíceis da história, com secas prolongadas em diversas regiões do Brasil, África, Europa, Ásia e Austrália, e com fortes chuvas que provocaram grandes inundações em outras partes do mundo.Ao mesmo tempo, a temporada de furacões no Atlântico foi a mais ativa da história. O tamanho do buraco de ozônio foi o terceiro maior registrado na Antártida e o maior no Ártico, lembrou Jarraud.A WMO citou ainda que as repercussões econômicas dos desastres aumentaram nas últimas décadas, especialmente nos países menos desenvolvidos. Por sua vulnerabilidade, esses países sofrem abalos em seu avanço social e econômico quando há um desastre.A instituição, que tem 187 países-membros, sustenta que, embora os desastres não possam ser evitados, a avaliação integrada dos riscos e os alertas antecipados podem ajudar a minimizar seus efeitos devastadores.MetaA WMO propôs a redução pela metade do número de mortes causadas pelos desastres de origem meteorológica, hidrológica e climática nos próximos 15 anos.Para alcançar a meta, será necessário estabelecer sistemas eficazes de alerta antecipado que forneçam informação precisa à população de risco, de forma oportuna e confiável.Por meio de três centros meteorológicos mundiais e de 40 regionais, a WMO facilita a todos os países a infra-estrutura global operacional necessária para observar, detectar, prever e emitir alertas antecipados sobre uma ampla gama de perigos.

Agencia Estado,

23 de março de 2006 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.