Desbaratado grupo de extermínio e 6 são presos em PE

A polícia civil pernambucana desbaratou hoje um grupo de extermínio que atuava no município metropolitano de Jaboatão dos Guararapes, na Operação Pescaria. Foram presas seis pessoas, incluindo o líder da quadrilha, Rogério João Teixeira, conhecido como Piranha, e dois militares - um soldado do Exército, Josafá Ferreira de Souza, e um cabo da Polícia Militar, Melzeque dos Santos. Este foi o 16º grupo de extermínio desmontado nos últimos 12 meses, com um total de 255 presos, dentro da estratégia da segurança pública de reduzir o elevado número de homicídios no Estado. Os grupos atuavam no Recife, região metropolitana, zona da mata sul e agreste do Estado.De acordo com o delegado Antonio Júnior, que coordenou a operação, a polícia instaurou um total de 10 inquéritos relativos a 14 assassinatos realizados com a participação do grupo. Uma pistola, três revólveres, sete celulares e munição também foram apreendidos. Ele informou que o grupo se considerava "dono" do bairro Curado 1, em Jaboatão dos Guararapes, e, além de extorquir comerciantes locais em troca de segurança, mantinha tráfico de droga e estava loteando um terreno invadido no local.O Pacto pela Vida, plano do governo estadual para a segurança pública lançado em abril do ano passado, estipulou como meta a redução do número de homicídios em 12% em um ano. A estimativa é que o porcentual alcançado fique em torno de 7%. A meta de 12% será mantida. Somente neste ano, 1530 pessoas foram assassinadas no Estado, que figura entre os mais violentos do País em número de homicídios. Segundo o movimento Recife pela Paz, que em protesto contra a violência espalhou ontem 500 sacos pretos com areia - simbolizando corpos de vítimas - na praia de Boa Viagem, no Recife, Pernambuco apresenta o índice de 54 assassinatos por 100 mil habitantes. O índice brasileiro é de 27 em cada 100 mil. O dos Estados Unidos é 5,6 e, o da Itália, de 1 para cada 100 mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.