Descoberta variação genética que predispõe à psoríase

Uma variação genética comum em um gene ligado ao sistema imunológico do corpo humano torna muito mais provável o desenvolvimento da psoríase, uma doença inflamatória da pele, divulgou nesta quinta-feira uma equipe da Universidade de Michigan.As células da pele crescem nas camadas mais profundas do tecido dérmico e emergem lentamente à superfície, num processo que leva cerca de um mês. A psoríase, que nos Estados Unidos afeta 2% da população, faz essas células emergirem mais rápido, o que causa escamação e inflamação da pele.Na maioria dos casos, a psoríase gera áreas de pele endurecida, avermelhada ou escamada, que podem provocar coceira.As áreas mais freqüentemente afetadas são os cotovelos, os joelhos, o couro cabeludo, o rosto, a palma das mãos e as solas dos pés.Os pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Michigan chamaram o gene de PSORS1. A sua variação afeta uma das 20 variedades (alelos) de um gene chamado HLA-C, predispondo-o à psoríase.Isso não quer dizer que todos os que apresentam esta variação vão desenvolver a doença, causada por uma combinação de vários fatores."Para cada pessoa com psoríase que tem o gene PSORS1, há outras 10 pessoas com ele que não desenvolvem a doença", disse o diretor do estudo, James T. Elder, professor de dermatologia e de oncologia radiológica na Universidade de Michigan."O ´Streptococcus´ é um precursor muito comum da psoríase", explicou o pesquisador. "O sistema imunológico é ativado para atacar a bactéria. Mas, uma vez que a infecção tenha sido eliminada, o sistema imunológico começa a atacar as células cutâneas da própria pessoa".Cerca de 25% das pessoas que sofrem de psoríase desenvolve finalmente artrite psoríaca, uma condição que pode ser grave.A pesquisa, que examinou 2.723 pessoas de 678 famílias nas quais pelo menos um membro apresentava o mal, pode levar a novos tratamentos mais eficazes para combater a doença, sem os riscos e efeitos secundários dos tratamentos atuais.Os resultados do estudo, que é a análise mais completa sobre o gene da psoríase até o momento, serão publicados em maio pela revista American Journal of Human Genetics.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.