Descoberto elo perdido da linhagem dos elefantes

Uma criatura do tamanho de um porco, dotada de presas, que caminhava pela Terra há 27 milhões de anos, representa o elo entre os ancestrais mais antigos conhecidos dos elefantes e o grupo mais recente da onde os paquidermes vieram. Os dentes do Eritreum melakeghebrekristosi colocam-no num espaço, até agora vazio, da árvore genealógica do elefante.A descoberta, publicada no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, sugere que os mastodontes e os ancestrais dos elefantes surgiram na África, em contraste com outros mamíferos, como a girafa, rinocerontes e antílopes, que nasceram na Ásia e na Europa e depois migraram para o continente africano.O novo fóssil, descoberto na Eritréia, também empurra a origem dos elefantes e mastodontes mais 5 milhões de anos para o passado. De 35 milhões a 25 milhões de anos atrás, representantes do grupo dos proboscídeos (que inclui elefantes, mastodontes e parentes próximos) viveram exclusivamente na África e na Arábia. A maioria era formada de paleomastodontes: animais menores que os elefantes atuais, com trombas, presas curtas e todos os dentes na boca ao mesmo tempo - como os humanos. Após os 25 milhões de anos, aparecem proboscídeos maiores, do tamanho dos elefantes, com trombas e presas maiores, além de dentes que surgiam mais devagar, de forma que cada quadrante da boca tinha apenas um ou dois dentes funcionais de cada vez.O novo fóssil da Eritréia mostra um sistema de dentição parecido com o grupo mais moderno, mas é do tamanho dso paleomastodontes.

Agencia Estado,

01 de novembro de 2006 | 18h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.