Descoberto o túmulo da avó do primeiro imperador chinês

O mistério que rodeia o mausoléu do primeiro imperador chinês e seus milhares de guerreiros de terracota, na cidade chinesa de Xian, no noroeste da China, está mais perto de ser revelado depois que o túmulo de sua avó foi encontrado, publicou nesta segunda-feira a imprensa estatal.Localizado a 30 quilômetros do famoso mausoléu de Qin Shihuang(221-206 a.C.), imperador que unificou pela primeira vez o país, otúmulo da rainha mãe Xia é o segundo maior do passado chinês a ser escavado até o momento no país, com 17,3 hectares, afirmouZhang Tianen, analista do Instituto de Arqueologia Provincial deShaanxi.Uma das chaves para identificar a dona do sepulcro, que morreuquando o imperador tinha 20 anos e teve uma notável influência sobre ele,segundo historiadores, foram duas carruagens conduzidas por seiscavalos, símbolo exclusivo de reis e rainhas na Dinastia Qin.Além disso, os arqueólogos encontraram selos dos funcionários dacorte responsáveis por levar recados às rainhas, rainhas mães epríncipes, disse Wang Hui, analista da Universidade Normal deShaanxi, segundo informa a agência estatal Xinhua.O túmulo principal da rainha mãe Xia, que mede 140 metros decomprimento, 113 de largura e 15 de profundidade, e conta com umacâmara mortuária de mais de 100 metros quadrados, foi profanada equeimada em várias ocasiões, segundo a equipe de arqueólogos.Qin Shihuang, que começou seu reinado com apenas 13 anos, foi oprimeiro e único imperador da Dinastia Qin e estabeleceu sua capitalnas proximidades de Xian, onde em 1974 um camponês descobriu osguerreiros de terracota, considerados a oitava maravilha do mundo.No entanto, as escavações que buscavam os mais de sete milguerreiros que ainda estão enterrados e o próprio túmulo doimperador, estão suspensas desde 2003.Segundo registros históricos, aproximadamente 720 mil operáriostrabalharam durante 38 anos para construir o mausoléu que, segundo alenda, esconde um vasto palácio subterrâneo com rios de mercúrio etetos de pérolas e diamantes, representando as estrelas e o céu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.