Desempenho no Brasil melhora resultado global da Anglo American

O aumento na produção de níquel, nióbio e fosfato da Anglo American no Brasil ajudou a mineradora a compensar perdas que relatou ter sofrido na extração de cobre e carvão em outros países no terceiro trimestre.

SABRINA LORENZI, REUTERS

20 de outubro de 2011 | 17h38

A companhia atribui o aumento de 14 por cento da sua produção de níquel ao desempenho do projeto Barro Alto, em Goiás, que entrou em operação em março deste ano e produziu mil toneladas do material de julho a setembro.

A produção de níquel da companhia passou de 5,7 mil toneladas no terceiro trimestre de 2010 para 6,5 mil toneladas no mesmo período deste ano, informou a empresa em seu relatório trimestral de produção, divulgado nesta quinta-feira.

O projeto conta com investimentos de 1,9 bilhão de dólares, com objetivo de produzir um volume médio de 40 mil toneladas de níquel por ano nos três primeiros anos de produção com plena capacidade. A previsão de operação com capacidade cheia é para o final de 2012.

A segunda linha de produção do projeto entrou em operação em meados de setembro.

Por outro lado, de acordo com a Anglo, a produção em Loma de Níquel, na Venezuela, diminuiu 8 por cento devido a atividades adicionais de manutenção no trimestre.

NIÓBIO E FOSFATO

Num dos melhores resultados de produção da mineradora Anglo American, o projeto Catalão, em Goiás, aumentou a extração de nióbio em 22 por cento no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado.

A entrada em operação de uma nova mina na região contribuiu para aumentar a produção em 1,1 mil toneladas de nióbio, informou a mineradora.

Terceira maior produtora de nióbio do mundo, a Mineração Catalão exporta nióbio dos municípios de Catalão e Ouvidor, em Goiás, para mais de 50 plantas siderúrgicas na Europa, América do Norte e Ásia.

As vendas de nióbio alcançaram 4 mil toneladas em 2010.

A empresa realizou novas descobertas de nióbio na região que estão permitindo ampliar suas atividades em Góias.

A produção de fosfato da empresa cresceu 10 por cento, passando de 260 mil toneladas para 285 mil toneladas a partir das atividades da Copebrás.

O acréscimo reflete o "aumento da demanda e da capacidade de produção como consequecia da redução do número de paradas", diz a Anglo no relatório.

MINAS-RIO

O relatório afirma que as obras do projeto de minério de ferro Minas-Rio, o maior investimento da empresa no Brasil, estão progredindo, com a construção da planta e do mineroduto que transportará o insumo de Minas Gerais para o litoral do Rio.

A entrada em operação está prevista para o segundo semestre de 2013, com capacidade estimada para 26,5 milhões de toneladas anuais a partir de 2014.

A empresa está investindo 5 bilhões de dólares no projeto, de um total de 14 bilhões no período de 2007 a 2013.

COBRE

A mineradora divulgou queda de 9 por cento na produção de cobre no terceiro trimestre, para 139,9 mil toneladas por causa de novas regras no Chile.

A Anglo American é uma das maiores companhias de mineração do mundo, com sede no Reino Unido e capital aberto em Londres e Joanesburgo. As operações de mineração da empresa e sua carteira de projetos estão localizadas na África do Sul, América do Sul, Austrália, América do Norte e Ásia.

Mais conteúdo sobre:
MINERACAOANGLOBRASIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.