DHPP investigará morte do vocalista Chorão

A morte de Alexandre Magno Abrão, o Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr., será investigada pela Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O diretor da divisão, delegado Itagiba Antonio Vieira Franco, chegou ao prédio onde o artista foi encontrado morto, no bairro de Pinheiros, em São Paulo, por volta das 7h40.

AE, Agência Estado

06 de março de 2013 | 13h14

"O apartamento estava bastante deteriorado, mas pelo que se percebe não á algo de agora. A impressão é de que ele não limpava o local", disse. Segundo o delegado, aparentemente Chorão estava sozinho no momento da morte, mas já foram requisitadas as imagens do circuito interno de segurança do condomínio.

Ainda segundo o delegado, a última vez que o vocalista foi visto vivo foi às 18 horas de segunda-feira, dia 4, pelo segurança dele. "Ele tinha marcado com o motorista de pegá-lo ao meio-dia de ontem (terça). O motorista foi ao prédio e não conseguiu falar com ele. Depois, voltou à noite e novamente não conseguiu contato. Por conta disso, nesta quarta-feira pela madrugada decidiram entrar no apartamento para ver o que tinha acontecido".

Segundo Itagiba, Chorão foi encontrado de bruços. "É um sinal de que já estava ali há um bom tempo". O responsável pela investigação informou que foram solicitados o exame necroscópico e a perícia e disse que somente com o resultado dos laudos será possível apontar a causa da morte.

Às 7h55, o site oficial da banda estava fora do ar - depois passou a exibir apenas uma mensagem confirmando a morte do cantor. Pela manhã, a morte do músico era o assunto mais comentado do Twitter no Brasil e no mundo.

O corpo de Chorão será velado em Santos, no litoral paulista. O vocalista tinha 42 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.