Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Dilma apresenta nesta sexta vetos ao Código Florestal

Presidente passa o dia analisando o texto com uma equipe de juristas e técnicos; manifestantes protestam no Planalto

Tânia Monteiro, Rafael Moraes Moura, Christiane Samarco, de O Estado de S.Paulo

25 Maio 2012 | 03h02

Atualizado às 9h40

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff se reúne na manhã desta sexta-feira, 25, com os líderes do governo no Congresso para apresentar a eles os vetos decididos pelo governo para o texto do Código Florestal. O anúncio oficial será às 14 horas, com a presença dos ministros Izabella Teixeira, do Meio Ambiente; Pepe Vargas, do Desenvolvimento Agrário; e Mendes Ribeiro, da Agricultura.

A informação foi dada na noite dessa quinta-feira, 24, pela ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, que conversou com os líderes Arlindo Chinaglia (PT-SP), José Pimentel (PT-CE) e Eduardo Braga (PMDB-AM), para dar início à estratégia de discussão do Código no Congresso.

"A reunião é para começar a operar", comentou Ideli. Para a ministra, "a reação da opinião pública confirmou a tese defendida pelo governo de que teria sido muito melhor terem apostado no acordo em torno do texto do Senado, que era muito mais equilibrado, tinha mais condições de ser colocado em prática".

Ideli disse que não há impedimento para o governo apresentar um novo texto ao Congresso para preencher as lacunas que surgirem em decorrência dos vetos. Até ontem não havia um esboço do texto da medida provisória por meio da qual o governo pretende aperfeiçoar a proposta do Congresso. Um dos participantes da reunião de ontem disse que a presidente estava examinando "com lupa" o texto do Código e discutindo cada detalhe com juristas e técnicos.

Ideli disse ainda que todo o esforço está sendo feito para aproveitar ao máximo o espírito do texto que havia sido aprovado pelos senadores e depois foi alterado pelos deputados.

Na noite dessa quinta, manifestantes de várias organizações não governamentais que protestavam no Planalto avançaram em direção ao Palácio, na tentativa de invadir a rampa aos gritos de Veta Dilma. Eles acenderam velas e prometeram permanecer ali até hoje para protestar.

Manifesto. Nessa quinta, os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Izabella Teixeira receberam um documento com cerca de 2 milhões de assinaturas pedindo o veto ao texto da Câmara dos Deputados.

"A presidente ter pedido para que três ministros ouvissem o que 2 milhões de pessoas disseram mostra que faz diferença elas se mobilizarem", disse Pedro Abramovay, diretor de campanhas da Avaaz, organização global que tem mais de 1,5 milhão de membros no País.

Preocupação global. Dos quase 2 milhões de assinaturas, só 300 mil são de brasileiros. Abramovay disse que assinaram o protesto também franceses, alemães e holandeses. As autoridades do governo receberam uma foto de uma página na internet indicando a contagem do número de assinaturas.

Para Abramovay, o projeto da Câmara é o "texto do desmatamento". "Vamos acompanhar vigilantes para saber se a decisão que a presidenta vai tomar é a favor da motosserra ou do desenvolvimento sustentável", disse. Entre os que assinaram o pedido de veto estão a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva e o cineasta Fernando Meirelles./ COLABOROU GIOVANA GIRARDI

Mais conteúdo sobre:
código florestal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.