Dilma avalia votação do mínimo como prova de coesão, diz Cabral

A presidente Dilma Rousseff ficou "muito satisfeita" com a aprovação pela Câmara dos Deputados do novo valor do salário mínimo de 545 reais para este ano, disse nesta quinta-feira o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB).

REUTERS

17 de fevereiro de 2011 | 14h06

"Ela ficou muito satisfeita e disse que foi uma demonstração de coesão e força política", disse Cabral a jornalistas após encontro com Dilma no Palácio do Planalto.

No primeiro teste no Congresso desde que assumiu a Presidência, Dilma obteve na quarta-feira maioria folgada para aprovar o projeto do mínimo de 545 reais, apesar das pressões das centrais sindicais por um valor maior.

Propostas da oposição de 600 reais e de 560 reais foram derrotadas com ampla maioria de votos governistas. Todos os 77 deputados do PMDB, segunda maior bancada, votaram fechados contra uma ampliação do valor. O PT de Dilma registrou duas dissidências a favor dos 560 reais.

(Reportagem de Leonardo Goy)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMACABRAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.