Dilma cai três pontos e aumentam chances de 2o turno--Datafolha

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, caiu três pontos percentuais em pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta terça-feira, que aponta aumento nas chances de um segundo turno na corrida presidencial.

REUTERS

28 de setembro de 2010 | 07h42

Dilma aparece no levantamento com 51 por cento dos votos válidos, percentual que ainda lhe daria vitória no primeiro turno. Os votos válidos excluem brancos e nulos. Enquanto isso, o candidato do PSDB, José Serra, aparece com 32 por cento e Marina Silva (PV) com 16 por cento.

A soma dos demais candidatos, que era de 46 por cento, agora é de 49 por cento, de acordo com o levantamento do instituto publicado no jornal Folha de S.Paulo.

Se considerada a margem de erro da pesquisa, que é de 2 pontos para mais ou para menos, o fim da corrida presidencial no próximo domingo passa a ser incerto. Dentro da margem de erro a candidata petista pode oscilar de 49 para 53 por cento. Já a soma dos demais candidatos variaria de 47 a 51 por cento.

De acordo com a sondagem, Dilma caiu de 49 por cento das intenções de voto, apuradas há cinco dias, para 46 por cento. Serra manteve os 28 por cento registrado na pesquisa anterior. Marina oscilou um ponto para cima e agora tem 14 por cento.

Declararam voto branco ou nulo 4 por cento e 7 por cento afirmaram não saber em quem vão votar.

Num eventual segundo turno entre Dilma e Serra, a vantagem petista também caiu. Na pesquisa anterior feita pelo Datafolha, entre 21 e 22 de setembro, ela aparecia com 55 por cento das intenções de voto, e agora aparece com 52. Serra oscilou para cima na simulação de um segundo turno, e foi de 38 para 39 por cento.

O Datafolha ouviu 3.180 pessoas em 202 municípios na segunda-feira, 27 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

(Por Eduardo Simões)

Tudo o que sabemos sobre:
ELEICOESDILMASEGTURNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.