Dilma comemora Ideb e defende ensino integral

Presidente cita em programa de rádio números que consideram também as escolas particulares, mais altos

RAFAEL MORAES MOURA / BRASÍLIA , O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2012 | 03h03

A presidente Dilma Rousseff comemorou os números do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2011 e defendeu a expansão do ensino integral em entrevista ao programa de rádio Café com a Presidenta.

"Nos anos iniciais do ensino fundamental, o Brasil teve nota 5 no Ideb nacional, superando a meta de 2011 e também a de 2013. Nós tivemos bons resultados também nos anos finais do ensino fundamental. O Ideb atingiu 4,1, também acima da meta para 2011", disse Dilma.

Os números citados pela presidente, no entanto, consideram todas as redes de ensino - sem a rede privada, o Ideb nos anos iniciais cai para 4,7; nos anos finais, chega a 3,9.

Dilma admitiu que o País precisa de "um grande esforço" no ensino médio. O Ideb da rede estadual nessa etapa se manteve estagnado em 3,4; em nove Estados e no DF, o índice caiu, em relação ao de 2009.

"Por isso, a educação em tempo integral é tão importante, principalmente quando, junto com ela, vem a melhora dos currículos que nós estamos fazendo no ensino médio. Várias ações, como o Programa Ensino Fundamental Mais Educação, estão ajudando a melhorar a qualidade da educação no nosso País", afirmou a presidente.

Dilma destacou que "todo país que se desenvolveu, que saiu da condição de país pobre e se mantém na condição de país desenvolvido, apostou na educação em tempo integral para todas as crianças".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.