Dilma defende preservação ambiental e crescimento

Dois dias após a publicação dos vetos do Código Florestal, que não conseguiram conter as insatisfações nem de ruralistas nem de ambientalistas, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira que a preservação do meio ambiente é "condição essencial" do crescimento econômico, destacando que a "matriz energética renovável é sempre melhor do que uma matriz energética fóssil ou físsil".

RAFAEL MORAES MOURA E TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

30 Maio 2012 | 17h29

"Percebemos também que um desenvolvimento e um crescimento econômico que não respeita o meio ambiente compromete o presente e o futuro dos nossos países. E percebemos que a soma de incluir, crescer, proteger e conservar resulta em um desenvolvimento qualitativamente melhor e quantitativamente maior", disse Dilma, durante solenidade de entrega da quarta edição do Prêmio Objetivos do Desenvolvimento do Milênio Brasil, no Palácio do Planalto.

"É possível preservar as nossas riquezas naturais e o País é um dos países com uma riqueza ambiental da mais alta qualidade e da mais alta variação. É possível tudo isso e ao mesmo tempo crescer e é possível tudo isso e ao mesmo tempo desenvolver sua produção agrícola, sua produção industrial e seus serviços". Dilma lembrou que falta menos de um mês para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que vai trazer uma "nova discussão".

"Temos diante de nós uma nova discussão. Sem abrir mão dos nossos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio, nós temos de dar passos à frente. E os nossos passos à frente são a expressão do nosso comprometimento com essa tríade: incluir, crescer, proteger e conservar, ou conservar, proteger, crescer e incluir", afirmou. "E isso significa que teremos de criar metas, nesse sentido de metas a serem perseguidas e realizadas. Muitas vezes, como nós provamos, realizadas antes da data que para as quais elas estavam previstas. Agora, as metas são importantes. Elas são fundamentais. Elas mostram o horizonte da humanidade. Elas dão uma diretriz e mostram o caminho".

Para a presidente, "aprendemos que a preservação do meio ambiente é condição essencial do crescimento econômico". "Verificamos isso na nossa agricultura. Descobrimos que uma matriz energética renovável é sempre melhor do que uma matriz energética fóssil ou físsil. Descobrimos que a preservação das nossas riquezas naturais somente será possível se os direitos fundamentais de nossa população estiverem garantidos e vice-versa. E descobrimos que a produção sustentável é a melhor forma de gerar oportunidades para a inclusão de todos nós", afirmou. Ao final do discurso, a presidente aproveitou para reiterar o convite a "todos os ministros da América Latina, do Caribe e da África" a comparecer à Rio+20.

Mais conteúdo sobre:
Rio+20 Dilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.