Dilma diz que governo não vai tolerar violência e garante segurança no Mundial

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira que o governo não será tolerante com a violência em manifestações e que tem condições de garantir a segurança de todos que quiserem "desfrutar" da Copa do Mundo, que começa na quinta-feira.

REUTERS

11 Junho 2014 | 13h31

"Respeitamos os direitos das pessoas se manifestarem", disse a presidente durante cerimônia de entrada de operação do metrô de Salvador. "No entanto, não teremos a menor contemplação com quem achar que pode praticar ato de vandalismo ou atingir o direito da maioria, que é o direito de assistir e desfrutar e usufruir da sua Copa do Mundo."

"Nós vamos garantir a segurança de todos que vierem nos visitar e também dos brasileiros que vão de uma cidade a outra", acrescentou a presidente.

A partir dos protestos de junho do ano passado, muitas manifestações realizadas no país passaram a ter a participação de grupos conhecidos como black blocs, que praticam atos de violência nesses protestos.

Repetindo vários pontos abordados por ela durante pronunciamento à nação na noite de terça-feira, Dilma insistiu que os gastos relativos à Copa estão sendo fiscalizados.

"Se houver algum gasto indevido, algum gasto incorreto, algum gasto superfaturado, quem fez o gasto superfaturado vai pagar."

(Por Alexandre Caverni)

Mais conteúdo sobre:
COPADILMAGARANTIAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.