Dilma e Tarso defendem aliança de centro-esquerda para 2010

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, defendeu neste domingo a manutenção da base aliada e a constituição de uma aliança de centro-esquerda para as próximas eleições presidenciais. Mesmo mostrando indisposição em comentar a corrida presidencial de 2010, a ministra aceitou falar "em tese" sobre o assunto. Dilma é a preferida do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a corrida sucessória, mas tem evitado comentar suas perspectivas na disputa eleitoral. Além de Dilma, os ministros Tarso Genro (Justiça) e Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário) participaram de um ato político de apoio à Maria do Rosário, candidata do PT à prefeitura da capital gaúcha, no início desta manhã em Porto Alegre. "É impossível governar o Brasil se não houver uma base de sustentação que dê condições de executar um programa de transformação como o nosso", disse a ministra a jornalistas. Na sua opinião, a formação de coalizões é uma "exigência da governabilidade" e uma tendência para os próximos pleitos. "Acredito que nos próximos anos, 2010, 2014, a tendência seja não de um partido tipo Estados Unidos, mas de uma base de sustentação ampla, no nosso caso, uma base de centro esquerda", disse a ministra. A questão assume importância, pois os resultados das eleições municipais deste domingo devem ter reflexos sobre o peso e a importância dois partidos da base aliada. Para o ministro Tarso Genro, se a preferência do presidente Lula por Dilma for confirmada, o PT deve seguir a tendência e escolher a ministra como candidata às próximas eleições. "O presidente Lula nunca foi taxativo nesta questão, mas toda a sinalização que está dando é que se inclina preferencialmente pela Dilma, Se fizer isso, estaremos junto com ele", disse o ministro. ELEIÇÕES BELÍSSIMAS Na avaliação de Tarso Genro, as eleições devem transcorrer normalmente já que problemas detectados no interior de São Paulo, Roraima e Rio de Janeiro --considerados "residuais"-- teriam sido contornados. Segundo o ministro, tropas federais e equipes da Polícia Federal acompanham o processo eleitoral em cerca de 400 municípios, em ações que teriam caráter apenas preventivo. "Ações preliminares da Polícia Federal e da Justiça Eleitoral limparam totalmente o terreno. São eleições belíssimas, sejam quem for os vitoriosos", disse o ministro. Analisando o quadro eleitoral, Tarso minimizou os possíveis efeitos negativos da divisão do eleitorado entre vários candidatos de esquerda e defendeu a importância da convivência e das alianças entre partidos de centro-esquerda. "O centro-esquerda joga um papel muito importante no Brasil e na estabilidade do presidente Lula. Sou um aliancista histórico", disse. Dilma Rousseff e Tarso Genro votam em Porto Alegre e devem acompanhar Maria do Rosário, candidata à prefeitura de capital gaúcha pelo PT, neste domingo. Tarso deve ainda participar de atividades em Canoas, município da região metropolitana de Porto Alegre, onde seu ex-assessor, Jairo Jorge, é candidato a prefeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.