Dilma: 'É urgente melhorar a formação de médicos especialistas'

Presidente classificou o Mais Médicos, sancionado nesta terça, como um dos programas mais importantes do seu governo

RICARDO DELLA COLETTA E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

22 Outubro 2013 | 14h08

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira, 22, que o Programa Mais Médicos, sancionado em cerimônia no Palácio do Planalto, compõe um dos pactos propostos pelo governo como resposta às manifestações populares de junho: o pela melhoria dos serviços de saúde. Além de levar profissionais a áreas desassistidas do País, a presidente disse também que o programa aborda a melhoria da formação de novos profissionais na área. "É urgente melhorar a formação de médicos especialistas e atender a demanda do País", disse Dilma.

A presidente classificou o Mais Médicos como um dos programas mais importantes do seu governo e fez um aceno ao Legislativo, dizendo que os parlamentares demonstraram sensibilidade com os problemas do País ao aprovar a proposta, neste mês. Dilma Rousseff disse que o Mais Médicos vai ajudar o governo a "continuar combatendo a exclusão".

De acordo com ela, desde o mandato do ex-presidente Lula foram dados "grandes passos" na direção da distribuição de renda no País e que, agora, as pessoas demandam por melhores serviços públicos, entre eles os da área da saúde. "Todos que saíram da miséria têm um desejo: que é ter acesso a melhores serviços públicos", afirmou Dilma, que também disse que o maior anseio da população é ter acesso a atendimento médico. "O fim da miséria é apenas o começo".

A presidente pontuou também que a desigualdade "começa na oferta insuficiente de médicos" nas periferias das grandes cidades no País e disse que é preciso dar força "a coluna vertebral de sustentação do Sistema Único de Saúde (SUS)". Fazendo um balanço sobre o Mais Médicos, a presidente afirmou que já há 1,3 mil médicos participantes do programa em postos de saúde no País e que esse número será ampliado, mês a mês. "Em 2014, pretendemos ter 13 mil médicos no Brasil participando do programa", afirmou.

A presidente encerrou seu discurso, na cerimônia de sanção da Lei do Mais Médicos, no início desta tarde, afirmando que seu governo investe em postos de saúde, equipamentos e em Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) e celebrou a integração latino-americana com a vinda de profissionais estrangeiros. "Talvez a participação dos médicos estrangeiros seja a mais completa forma de integração da América Latina", concluiu.

Mais conteúdo sobre:
Saúde Mais Médicos Dilma formação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.