Dilma está preocupada com divisões internas de aliados--fonte

A presidente Dilma Rousseff está preocupada com as divisões internas nas bancadas do PP e do PMDB e pediu aos participantes da reunião de coordenação política do governo nesta segunda-feira que se empenhem para reunificar os aliados.

JEFERSON RIBEIRO, REUTERS

22 de agosto de 2011 | 17h48

Um auxiliar do Palácio do Planalto disse à Reuters, sob a condição de anonimato, que Dilma teme que essas divisões prejudiquem as votações de matérias de interesse do governo e atrapalhem os esforços que ela tem feito para se aproximar dos aliados.

Na semana passada, um grupo de peemedebistas insatisfeitos com a falta de debate interno e com os encaminhamentos da cúpula do partido se reuniu e decidiu pressionar o líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). Segundo eles, a liderança da legenda toma decisões sem consultar a bancada inteira.

Parte desse grupo, formado por 35 deputados, chegou a cogitar dar apoio à criação da CPI da Corrupção que está sendo proposta pela oposição.

Na tentativa de acabar com a rebelião, o vice-presidente Michel Temer vai jantar com a bancada na terça-feira, que também servirá de homenagem ao novo ministro da Agricultura, deputado Mendes Ribeiro (PMDB-RS).

Segundo relato dessa fonte do Planalto, a presidente também comentou na reunião que está preocupada com a situação no Partido Progressista, incluindo as denúncias desse final de semana contra o ministro das Cidades, Mário Negromonte.

A insatisfação de parte dos deputados contra Negromonte já resultou na substituição do líder da bancada na Câmara na semana passada. A bancada trocou Nelson Meurer (PR), mais ligado a Negromonte, por Aguinaldo Ribeiro (PB), que teria, na avaliação do governo, uma posição menos alinhada ao Executivo.

Segundo a revista Veja, na tentativa de retomar o controle da bancada na Câmara, o ministro teria prometido a alguns deputados repasses mensais de 30 mil reais por parlamentar. Negromonte classificou a denúncia como absurda.

O porta-voz da Presidência, Rodrigo Baena, disse que Dilma fez durante a reunião de coordenação --que contou, entre outros, com o Temer, a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e os líderes do governo no Congresso-- uma avaliação positiva sobre as reuniões que manteve na semana passada com os líderes dos partidos aliados.

Na semana passada, a presidente se reuniu com a cúpula dos principais partidos aliados para dizer que estava disposta a manter um diálogo mais fluído com o Congresso e pediu união para que o governo enfrente os possíveis efeitos da crise econômica global no Brasil.

(Reportagem adicional de Hugo Bachega)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADIVISAOALIADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.