Dilma expressa preocupação com crise, mas vê Brasil preparado

A presidente Dilma Rousseff expressou nesta sexta-feira a um grupo de petistas de alto escalão, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preocupação com a atual crise econômica na Europa, ao mesmo tempo que observou que o Brasil está preparado para enfrentá-la e o governo pronto para tomar as medidas que julgar necessárias.

REUTERS

18 Maio 2012 | 18h21

Dilma almoçou em São Paulo com Lula, o pré-candidato petista à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), além de um grupo de ministros que incluiu Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) e Aloizio Mercadante (Educação).

Segundo relatos de Haddad, que participou de seu primeiro evento público ao lado de Dilma e Lula como pré-candidato do PT à prefeitura paulistana, a crise econômica dominou o almoço num restaurante na zona oeste da capital paulista.

"A discussão se pautou pela crise na Europa e pelo papel importante que os Brics -sobretudo nesse momento o Brasil e a China- devem desempenhar e o protagonismo que devem assumir", disse Haddad a jornalistas após a comitiva liderada por Dilma visitar a exposição Guerra e Paz, de Cândido Portinari, no Memorial da América Latina.

Além de Brasil e China, também fazem parte dos Brics Índia, Rússia e África do Sul.

Haddad, que segundo as mais recentes pesquisas eleitorais tem por volta de 3 por cento das intenções de voto para a eleição de outubro, relatou que Dilma disse durante o almoço que o Brasil está preparado para fazer frente às turbulências e que seu governo está pronto para tomar as medidas necessárias "se forem cabíveis".

Após a exposição, Dilma, que já gravou uma inserção na TV para a campanha de Haddad, visitaria o arcebispo emérito de São Paulo, dom Paulo Evaristo Arns, em Taboão da Serra, na Grande São Paulo.

Apesar da gravação para a campanha de Haddad, que foi ministro da Educação nos governos Lula e Dilma, e do evento público desta sexta-feira, a presidente vinha afirmando que não participaria das campanhas eleitorais nas cidades em que há mais de um candidato de partidos que formam sua base governista no Congresso, para evitar desconforto entre seus aliados.

A disputa à Prefeitura de São Paulo é liderada pelo ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB), segundo as últimas pesquisas de intenção de voto. O deputado federal Gabriel Chalita, do PMDB, maior partido da coalizão que apoia Dilma e legenda do vice-presidente Michel Temer, também lançou pré-candidatura.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Mais conteúdo sobre:
POLITICADILMAHADDAD*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.