Dilma fará três discursos em Nova York

A presidente Dilma Rousseff deve fazer três discursos nos três dias em que ficará em Nova York para participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e ainda tem uma reunião agendada amanhã com presidente mundial da Telefónica. Não estão programados por enquanto encontros de Dilma com chefes de Estado.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Agência Estado

23 de setembro de 2013 | 08h33

A presidente não tem agenda nesta segunda-feira e deve passar o dia no hotel, de acordo com sua assessoria. Amanhã, por volta das 10h30 (pelo horário de Brasília), deve fazer o discurso de abertura da 68ª Assembleia Geral da ONU, uma fala que deve durar cerca de 30 minutos e tocar em temas com a espionagem norte-americana no Brasil.

Logo em seguida, quem fala é o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Até ontem à tarde, não havia confirmação se Dilma assistiria ao discurso de Obama e também não havia previsão de encontro oficial entre os dois líderes durante a Assembleia.

Ainda na terça-feira, Dilma tem reunião prevista com o presidente da Telefónica, César Alierta Izuel. O tema do encontro não foi revelado pela assessoria da Presidência. Dilma deve voltar à ONU na tarde de amanhã para participar de um fórum de desenvolvimento sustentável que deve ratificar as deliberações da Rio+20.

Na quarta-feira, a presidente participa de seminário promovido pelo banco Goldman Sachs e o Grupo Bandeirantes, que vai discutir oportunidades de investimentos em infraestrutura no Brasil. Em princípio, Dilma deve fechar o evento, por volta das 12 horas, e logo em seguida voltar para Brasília. Mas segundo sua assessoria há a possibilidade de a programação ser alterada e ela abrir o evento.

Neste encontro, Dilma será acompanhada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que chega a Nova York na terça-feira, pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel e pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. O presidente do BC só deve chegar à cidade na quarta-feira pela manhã.

O ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, também virá a Nova York e ficará na cidade até a próxima sexta-feira. Ele terá uma agenda de dez encontros bilaterais, de acordo com a assessoria da Presidência. Está previsto um encontro do ministro com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, para tratar da questão da espionagem.

Mais conteúdo sobre:
DilmaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.