Dilma faz convite a chefes de Estado para missa no Rio

No Vaticano, é dada como certa a presença da presidente da Argentina, Cristina Kirchner

JAMIL CHADE, ENVIADO ESPECIAL, E DÉBORA BERGAMASCO, Agência Estado

18 de julho de 2013 | 08h41

Em um esforço para transformar a visita do papa Francisco em um acontecimento político e capitalizar com a popularidade do pontífice, a presidente Dilma Rousseff rompeu uma tradição da Igreja e convidou líderes de toda a América Latina para a missa no próximo domingo, dia 28, em Guaratiba, na zona oeste do Rio. O Vaticano insiste que foi uma decisão "autônoma" do Planalto. Mas admite que Francisco terá um "recado" à classe política e usará a viagem para a denunciar a situação dos mais pobres.

Brasília tentou politizar a viagem, enviando um convite formal ao papa para que a vinda fosse transformada em visita de Estado. O Vaticano não aceitou, alertando que a viagem tinha um caráter pastoral diante da Jornada Mundial da Juventude. Nesta quarta-feira, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, admitiu que não se lembrava de outra ocasião em que um evento pastoral ou a Jornada da Juventude acabou se transformando em palanque de políticos. "É uma decisão livre da presidente."

Lombardi deixou claro que, diante da insistência do governo brasileiro, o Vaticano abriu uma brecha na agenda para a política. Mas insinuou que a oportunidade pode ser usada pelo papa Francisco para dar um recado aos políticos. "Vamos ver o que ele vai dizer."

No Vaticano, é dada como certa a presença da presidente da Argentina, Cristina Kirchner - o Itamaraty não confirmou. Além de Cristina, o governo brasileiro acredita que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, também deve participar da missa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
papavisitaDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.