Dilma lança programa de educação rural

Com investimento de R$ 1,8 bilhão por ano, governo quer ampliar acesso a bibliotecas e formar professores

RAFAEL MORAES MOURA, TÂNIA MONTEIRO, BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 Março 2012 | 03h03

Um dos maiores gargalos do sistema brasileiro, o ensino na zona rural ganhou um plano de estratégias com o lançamento, ontem, do Programa Nacional de Educação do Campo (Pronacampo). Em cerimônia no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff lançou a iniciativa, cujo objetivo é reduzir as distorções da zona rural por meio da formação de professores, melhorando a infraestrutura das instituições e o transporte escolar, conforme o Estado antecipou em janeiro.

Entre as metas para o fim de 2014 estão garantir acesso de 1,9 milhão de alunos a bibliotecas, promover formação continuada para mais de 10 mil professores, aplicar recursos na construção de 3 mil escolas e na aquisição de 8 mil ônibus escolares e 180 mil bicicletas. Os investimentos previstos são da ordem de R$ 1,8 bilhão por ano, a partir de 2012.

Dilma também enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei para evitar o fechamento de escolas no campo. Nos últimos cinco anos foram fechadas 13.691 unidades rurais, número que o ministro Aloizio Mercadante atribui ao processo de urbanização e à ação de prefeituras para reduzir custos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.