Dilma lança 'Programa Mulher - Viver Sem Violência'

A presidente Dilma Rousseff disse hoje que o seu governo é o que tem o maior número de políticas públicas em favor da mulher. "Não temos sido questionados por uma verdade que andamos afirmando. Até agora, essa não foi questionada: somos o governo com o maior volume de políticas públicas em favor da mulher na nossa história", disse a presidente em cerimônia de lançamento do ''Programa Mulher - Viver sem Violência'', no Palácio do Planalto.

AE, Agência Estado

13 de março de 2013 | 12h28

Para a presidente, ainda é preciso fazer muito mais para combater a violência contra a mulher. "Queremos que o País se aproxime cada vez mais do dia em que o nosso País, a nossa sociedade, e os governos tenham tolerância zero com a violência praticada contra a mulher. Queremos que esse país seja um país com tolerância abaixo de zero, porque esse crime envergonha a humanidade", disse. "Eu sei que nenhum governo sozinho é capaz de dar conta dessa luta, mas nos esforçamos para fazer a parte do governo", completou.

O governo federal pretende investir R$ 265 milhões na iniciativa, com a construção de prédios, ampliação da Central de Atendimento à Mulher e aperfeiçoamento de coleta de provas de crimes sexuais. "Hoje é mais um dia que afirmamos esse compromisso, porque honrar as mulheres significa ter consciência da sua situação no nosso país e defender uma política antidiscriminação", afirmou Dilma.

A Central de Atendimento à Mulher (o Ligue 180) poderá agora acionar as polícias militares do Brasil inteiro e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), quando os atendimentos forem considerados urgentes. Até 2014, o governo federal pretende que o serviço chegue a mais dez países - hoje, ele atende brasileiras residentes em Portugal, Itália e Espanha.

"Estamos dando ênfase ao combate à violência de todas as formas na sociedade, mas focamos num segmento extremamente vulnerável da nossa população, e esse segmento são as mulheres", explicou. Segundo a presidente, só foi possível retirar 22 milhões de brasileiros da extrema pobreza porque o trabalho começou focando numa parcela absolutamente desprotegida, crianças e jovens. Ela destacou que o Bolsa Família é o programa central do Plano Brasil sem Miséria, "vitorioso", segundo a presidente, porque sua base de sustentação é forte, 93% dos titulares do programa são mulheres.

Dilma destacou que o governo aposta na capacidade de as mulheres gerirem empreendimentos. "Apostamos muito no microempreendedorismo. A mulher, nós sabemos, é um ser muito criativo, por isso o governo tem uma ênfase especial na questão do microcrédito, capacitação profissional, produção de alimentos, agricultura familiar e nas pequenas empresas", disse a presidente.

Sobre as iniciativas lançadas pelo governo, a presidente destacou que "todas essas são atividades para reforçar a autonomia e a presença cidadã da mulher na nossa sociedade".

O governo federal anunciou que pretende investir R$ 265 milhões em projetos direcionados às mulheres, com a construção de prédios, ampliação da central de atendimento à mulher e no aperfeiçoamento de coleta de provas de crimes sexuais, entre outras ações. A presidente afirmou, também, que "o Brasil aumentou sem parar o emprego nos anos de crise", destacando as medidas do governo para incentivar a economia.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmalançamentoPrograma Mulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.