Dilma lembra vítimas do Holocausto e defende diálogo

A presidente Dilma Rousseff reconheceu o direito do povo judeu a uma "pátria física" e enfatizou a disposição do governo brasileiro de afirmar a paz mundial especialmente no Oriente Médio.

REUTERS

27 de janeiro de 2011 | 22h24

"O melhor caminho para diminuir o sofrimento humano é o diálogo", disse a presidente em Porto Alegre, onde participou de uma cerimônia do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, organizada pela Confederação Israelita do Brasil.

Para Dilma, o Holocausto foi um momento "deplorável" da humanidade por ter inaugurado um tipo de violência "industrializada e científica" empregado em guerras de extermínio e desumanizado os adversários com a tortura.

Além dos seis milhões de mortos e das famílias judias destruídas pelo nazismo, a presidente lembrou as vítimas de todas as ditaduras mundiais.

(Reportagem de Sinara Sandri)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMAHOLOCAUSTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.