Dilma nega ajuste como o de 2003 e reafirma combate à inflação

A presidente Dilma Rousseff negou nesta segunda-feira que o governo esteja fazendo este ano um ajuste fiscal nos mesmos moldes de 2003 e reafirmou o compromisso de combate à inflação.

REUTERS

21 de fevereiro de 2011 | 13h29

Segundo Dilma, os cortes de 50 bilhões de reais no Orçamento, anunciados pelo governo, fazem parte de uma consolidação fiscal num cenário bem diferente do início do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Em 2003 o Brasil tinha uma taxa de inflação fora do controle, que não é o caso atualmente", disse a presidente em reunião com governadores do Nordeste. "Nós estamos dentro da margem estabelecida de 2 pontos acima dos 4,5 por cento da meta."

Dilma ressaltou o fato de hoje o país ter 300 bilhões de dólares em reservas internacionais e um projeto de investimentos.

"E mais, temos perfeita consciência para que não haja de fato no Brasil pressões inflacionárias e nós não deixaremos que aconteça."

(Texto de Alexandre Caverni; edição de Maria Pia Palermo)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMANE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.