Dilma vai a 37% e Marina cai para 30% no primeiro turno, diz Datafolha

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, abriu vantagem sobre a ex-ministra Marina Silva (PSB) no primeiro turno da eleição presidencial de outubro, com 37 por cento das intenções de voto ante 30 por cento da principal adversária, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira.

REUTERS

19 Setembro 2014 | 07h03

Dilma passou de 36 por cento na pesquisa anterior, realizada em 8 e 9 de setembro, para os atuais 37 por cento, enquanto Marina caiu de 33 para 30 por cento. O candidato do PSDB, Aécio Neves, foi de 15 para 17 por cento das intenções de voto, recuperando um pouco de terreno.

Em uma simulação de segundo turno entre Dilma e Marina, a vantagem da candidata do PSB caiu de 4 pontos no levantamento passado para 2 pontos atualmente. Marina apareceu com 46 por cento das intenções de voto (tinha 47 por cento) e Dilma está com 44 por cento (tinha 43 por cento).

As duas candidatas estão empatadas tecnicamente no segundo turno, uma vez que a margem de erro da pesquisa é de 2 pontos.

A vantagem maior de Dilma sobre Marina pode indicar que a presidente não foi afetada pelas denúncias de ex-diretor da Petrobras que, segundo vazamentos de depoimentos publicados na mídia, apontam para um suposto esquema de propinas a políticos e partidos da base governista.

Marina, por outro lado, pode estar sofrendo com os ataques que tem recebido tanto de Dilma como de Aécio.

Enquanto Dilma ataca Marina sobre a exploração do pré-sal e sobre a formalização da independência do Banco Central, com propagandas que a candidata do PSB classifica como falsas, Aécio tem apontado para o que chama de inconsistências da ex-senadora e procurado colar nela a imagem de uma espécie de segunda candidatura do PT.

A pesquisa Datafolha, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, entrevistou 5.340 pessoas nos dias 17 e 18 de setembro, em 265 municípios.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Mais conteúdo sobre:
ELEICOES2014DATAFOLHASETEMBRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.