Dinamarca prende suspeitos de planejar morte de cartunista

Polícia diz que os três detidos pretendiam atacar autor de caricatura de Maomé.

Da BBC Brasil, BBC

12 de fevereiro de 2008 | 16h35

A polícia dinamarquesa prendeu nesta terça-feira três pessoas suspeitas de tentar planejar a morte de um cartunista que fez uma caricatura do profeta Maomé em 2005.O serviço de inteligência da Dinamarca disse que as prisões ocorreram na região de Aarhus, no oeste do país, durante a madrugada, "para impedir um assassinato associado ao terrorismo".O serviço de inteligência dinamarquês afirma que as prisões foram realizadas após uma longa investigação.Os detalhes não foram revelados, mas, segundo a edição online do jornal Jyllands-Posten, os suspeitos detidos planejavam matar o cartunista Kurt Westergaard.Em setembro de 2005, o Jyllands-Posten, maior jornal da Dinamarca, publicou caricaturas de Maomé criadas por Westergaard. Os desenhos provocaram protestos e mortes em uma série de países.A tradição islâmica proíbe a divulgação de desenhos ou imagens de Maomé.Dois dos suspeitos presos nesta terça-feira são tunisianos, e o terceiro é um dinamarquês de origem marroquina.De acordo com as autoridades, o dinamarquês será libertado enquanto mais investigações são feitas. Os tunisianos ficarão detidos e, depois, serão deportados.Proteção policialO jornal Jyllands-Posten, com sede em Aarhus, diz que Westergaard, de 73 anos, e sua esposa Gitte, de 66, estão sob proteção policial há três meses."É claro que temo pela minha vida quando o serviço de inteligência da polícia diz que pessoas têm planos concretos de me matar", disse o cartunista em uma declaração publicada no site do jornal. "Mas eu transformei o medo em raiva e ressentimento", acrescentou Westergaard.O cartunista foi um dos 12 artistas por trás das caricaturas de Maomé, mas foi o responsável pelo desenho considerado o mais polêmico de todos.A caricatura mostrava a cabeça do profeta com um turbante, uma bomba e um pavio aceso.Os desenhos foram mais tarde reproduzidos em mais de 60 jornais, o que causou uma onda de protestos em partes do mundo islâmico.As manifestações culminaram há um ano, quando escritórios diplomáticos dinamarqueses foram incendiados na Síria e no Líbano e dezenas de protestos terminaram em mortes na Nigéria, na Líbia e no Paquistão.As prisões desta terça-feira provocaram surpresa na Dinamarca, onde o furor em torno das caricaturas parecia ter sido esquecido.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.