Diplomata da ONU prevê que Zelaya voltará logo ao cargo

O presidente da Assembleia Geral da ONU, Miguel D'Escoto, disse nesta sexta-feira que acredita estar próxima uma solução para a restituição do presidente de Honduras, Manuel Zelaya, ao cargo, do qual foi removido por um golpe de Estado.

REUTERS

10 Julho 2009 | 18h40

"Ouvi que podemos estar muito próximos de uma solução para a restituição do presidente Zelaya", disse D'Escoto em uma entrevista à imprensa na ONU. D'Escoto é um esquerdista nicaraguense que acompanhou Zelaya domingo na fracassada missão para o retorno dele a Honduras.

D'Escoto expressou otimismo sobre uma solução apesar de não haver sinal visível de um acordo. Zelaya e o homem colocado em seu lugar depois do golpe de 28 de junho, Roberto Micheletti, não chegaram a um acordo nem sequer se encontraram pessoalmente em conversações na quinta-feira para mediar a crise, na Costa Rica.

D'Escoto disse que sua crença se baseia em "conversações", mas não quis dar mais detalhes. "Tenho a sensação de que estamos caminhando nessa direção bem depressa. Posso estar errado, mas espero que não", afirmou ele.

"Sinto confiança em que se chegará a uma solução logo. Quando digo logo quero dizer dentro de poucos dias. Uma semana é logo, mas acho que será ainda antes disso", acrescentou.

(Reportagem de Anupreeta Das)

Mais conteúdo sobre:
HONDURASDESCOTOSOLUCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.