Direct Edge pedirá aval para operar bolsa no Brasil

A Direct Edge pedirá em junho à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aval para poder operar uma bolsa de valores no Brasil, afirmou nesta segunda-feira o diretor de estratégia corporativa da companhia, Anthony Barchetto.

REUTERS

21 Maio 2012 | 18h34

Segundo ele, dependendo dos avanços nas conversações para uso dos serviços de clearing com a BM&FBovespa, o serviço pode entrar em operação em 2013.

"Tivemos conversas iniciais em setembro", disse o executivo. Caso as negociações não tenham sucesso, a nova bolsa poderia ter uma clearing própria, o que poderia custar "centenas milhões de reais" ou utilizar sócios do Brasil ou do exterior.

Com base no Rio de Janeiro, a nova bolsa e poderia listar empresas que já estão na BM&FBovespa, disse Barchetto, citando a antiga Bolsa do Rio, que funcionava concomitantemente com a Bolsa de Valores de São Paulo.

(Por Juliana Schincariol)

Mais conteúdo sobre:
FINANCASDIRECTEDGECONCORRENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.