Direitos humanos podem ficar fora das discussões

Representantes de organizações da sociedade civil criticaram ontem, em entrevista na sede das Nações Unidas, em Nova York, a retirada do tema dos direitos humanos da agenda da Rio+20. Uma carta foi endereçada ao secretário-geral da Rio+20, o chinês Sha Zukang, expressando preocupação com "uma situação que ameaça gravemente os direitos das pessoas e compromete a relevância da ONU".

RIO, O Estado de S.Paulo

28 Março 2012 | 03h04

"Estamos testemunhando uma tentativa de certos países de enfraquecer, limitar ou mesmo eliminar quase todas as referências a compromissos relacionados aos direitos humanos e a princípios de equidade do texto O Futuro que Queremos, cuja versão final será o resultado da Rio+20", prossegue o texto.

A antropóloga Iara Pietricovsky, do Instituto de Estudos Socioeconômicos, está acompanhando as discussões na ONU sobre o esboço das propostas. Para ela, a minuta que sucederá o chamado rascunho zero "virou um documento Frankenstein, com quase 200 páginas e cheio de colchetes (símbolo usado para indicar discordância)".

Iara diz que a falta de consenso poderá resultar em um retrocesso na Rio+20. "Os países ricos não querem se comprometer. Existe uma pressão forte dos EUA. Tudo o que se refere a afirmação de direitos e princípios acordados desde a Rio-92 poderá ser deletado", afirma a antropóloga, que acompanha as conferências da ONU desde 1992.

Iara disse que o Vaticano está pressionando para que tudo o que tenha a ver com direitos da mulher seja retirado do documento que será discutido na Rio+20. Segundo Anil Naidoo, a carta foi apoiada por mais de 500 organizações de 67 países. / F.W.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.