Diretor de banco é morto ao reagir a assalto em São Paulo

Gustavo Matarazzo, do Citibank, foi baleado em frente ao sobrado onde mora, no Tatuapé

Ricardo Valota, estadao.com.br

15 Dezembro 2008 | 06h03

Ao reagir a um assalto, por volta das 21h de domingo, 14, em frente ao sobrado onde mora, na região do Tatuapé, na zona leste da capital, Gustavo Matarazzo, de 34 anos, superintendente adjunto do Citibank, foi baleado e morto. Matarazzo, que era solteiro e morava com a mãe, Maria Júlia Gomes Matarazzo, foi abordado por dois bandidos na porta do sobrado, segundos após entrar no imóvel e estacionar um Mitsubishi Pajero preto na garagem. Preocupado com a mãe e com a amiga, que estavam no interior da residência, Gustavo decidiu reagir, entrando em luta corporal com os bandidos. Os criminosos dispararam duas vezes, atingindo a cabeça e o peito do bancário, antes de fugir, sem roubar nada. Ao ouvir os gritos e tiros, as duas mulheres desceram do andar superior e encontraram o rapaz caído. A Polícia Militar foi acionada. Mesmo encaminhado ao pronto-socorro municipal do Tatuapé, Gustavo não resistiu aos ferimentos. Policiais militares do 8º Batalhão fizeram buscas pela região, mas os assassinos conseguiram fugir. A ocorrência foi registrada pela delegada Deise Brasil no 52º Distrito Policial, do Parque São Jorge, onde será investigado.

Mais conteúdo sobre:
violência bancário morto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.