Diretor questiona trabalho de Muricy no Palmeiras

Reuniões têm marcado a semana palmeirense, após o fracasso no Campeonato Brasileiro. Diretores buscam achar um culpado pela quinta colocação e a perda da vaga na Taça Libertadores de 2010. Muricy Ramalho pode ser o vilão e ter seu vínculo encerrado um ano antes do fim.

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

10 Dezembro 2009 | 00h00

Um grupo de conselheiros quer a saída de todos integrantes da diretoria de futebol. Gilberto Cipullo, vice-presidente, já manifestou cansaço e teria pensando em deixar o cargo. As mudanças, porém, são mais fáceis de ocorrer na comissão técnica.

Genaro Marino, diretor de futebol, não acha que as trocas devam ocorrer na cúpula do clube. "Se o garçom leva a comida errada você vai demitir o cozinheiro?", comparou. "Tínhamos todos os ingredientes para uma boa campanha, o time vinha bem. Trouxemos um treinador tricampeão brasileiro e o que se esperava é uma campanha melhor ou ao menos igual à anterior", declarou. "Temos de chegar a uma conclusão, se foi incompetência ou fatalidade (os maus resultados obtidos pelo treinador)."

Contratações e renovações devem começar a sair do papel apenas depois de a diretoria resolver os problemas políticos. "Temos de decidir essa situação interna para definir o resto", disse Genaro.

Os próximos dias vão ser decisivos para o futuro alviverde. "Não podemos tomar decisões um ou dois dias depois (do fim do campeonato). Precisamos ter serenidade para agir", disse Genaro. O cartola diz que é possível também uma troca na diretoria, desde que haja um consenso que houve erro. "Esses diretores mostraram em resultados periódicos o que está sendo feito", defendeu-se. "Faltou competência de quem? Eu não pediria para sair, mas se acharem melhor, eu saio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.