Diretor transforma Emef de SP em escola high-tech

Alunos de 7 a 14 anos da Escola Municipal de Educação Fundamental Raul Fernandes podem, sem sair da Brasilândia, zona norte de São Paulo, conhecer o acervo virtual do Museu do Louvre, de Paris; driblar a falta de papel e tinta para expor, na tela da TV, os trabalhos artísticos realizados no computador; ler obras de literatura e letras de música com os recursos audiovisuais da televisão; além de ter um canal que será usado na transmissão de um telejornal produzido por eles. A escola high-tech surgiu quando Carlos Alberto de Oliveira, diretor da Emef, queria acabar com aquele leva e traz da televisão e do videocassete de uma sala para outra. Tudo é feito a partir de um computador, dez aparelhos de DVD e duas câmeras, acoplados a um modulador, desses utilizados em condomínios. O esquema é simples: cada aparelho está conectado a um canal que pode ser sintonizado, via cabo, pelas 22 televisões espalhadas pela escola - uma para cada sala de aula. Os ?gadgets? (Carlos Alberto se refere aos eletroeletrônicos com a palavra da moda) estão todos no que era a sala do diretor. Hoje, o local mais parece um estúdio. Tem mesa com microfones, iluminação, câmeras e todo o resto. ?Era uma necessidade estritamente administrativa, não era nada pedagógico?, admite. Mas a idéia deu certo. ?Quem entra aqui pergunta: ?alguém deu tudo isso a você?? ou ?vocês fizeram festa para comprar tudo isso???, diz o diretor, que imposta a voz para responder que não! Tudo foi comprado com a verba repassada pela Prefeitura. ?Uns R$ 15 mil, R$ 17 mil por bimestre.? As informações são do Jornal da Tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.