Rodrigo Félix|Estadão
Rodrigo Félix|Estadão

Diretora comercial de joalheria fecha acordo de delação em processo contra Cabral

Maria Luiza Trotta, da H.Stern, foi transformada de testemunha em acusada ao não comparecer à Justiça Federal para prestar depoimento

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

17 Março 2017 | 14h58

RIO - A diretora comercial da H.Stern, Maria Luiza Trotta, fechou na manhã desta sexta-feira, 17, um acordo de colaboração premiada no âmbito da Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato no Rio, que prendeu no ano passado o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, sua mulher Adriana Ancelmo, entre outros investigados.

O depoimento ao Ministério Público Federal (MPF) foi feito na noite de quinta-feira, 16. Inicialmente, Maria Luiza tinha sido convocada no processo como testemunha e seria ouvida na última quarta-feira, dia 15. A executiva não compareceu à audiência e, segundo o MPF, seria transformada de testemunha em acusada.

Maria Luiza será ouvida nesta tarde, decidiu o juiz Marcelo Bretas, titular da 7.ª Vara Federal Criminal, apesar de os advogados da defesa de Adriana Ancelmo e Cabral terem sido contrários a isso. "Há um desequilíbrio latente. A defesa não sabe o que ela vai falar e o MPF sim", disse a defesa da mulher de Cabral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.