Discovery acopla com sucesso à Estação Espacial Internacional

A nave Discovery acoplou nesta segunda-feira à Estação Espacial Internacional (ISS) como parte da missão de doze dias que realiza para dar prosseguimento à construção do complexo que está em órbita a quase 400 quilômetros sobre a Terra.O acoplamento ocorreu por volta das 17h12 (20h12 de Brasília), quando a ISS passava por cima do sudoeste da China e do noroeste de Bangladesh, informou o controle da missão. "Houston, o acoplamento está confirmado", disse o comandante Mark Polansky. "Bem-vindos a bordo", responderam da ISS.Após a manobra e a realização das operações para igualar a pressão em ambas as naves, a astronauta Sunita Williams se juntou aos atuais tripulantes da ISS, o astronauta de origem espanhola Mike López Alegría e o russo Mikhail Tyurin. Williams substituirá na estação espacial o astronauta alemão Thomas Reiter, da Agência Espacial Européia, que completou seis meses de missão.Reiter voltará à Terra com a tripulação do Discovery, que partiu rumo à ISS no sábado no primeiro lançamento noturno de uma nave espacial em quase quatro anos.Antes do acoplamento, a nave fez um giro espacial, efetuado pelo comandante Mark Polansky, para que a tripulação da ISS tirasse fotos da nave, por causa da possibilidade do Discovery ter sofrido danos devido ao desprendimento de material de isolamento no momento do lançamento, no sábado."A manobra foi realizada sem complicações e aproximadamente 300 fotos foram feitas", assinalou o controle da missão no Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral (Flórida). Uma avaliação inicial das imagens captadas a partir da Terra, no momento do lançamento, assim como pelas próprias câmeras da nave em pleno vôo, revelou que não houve danos consideráveis na estrutura danave, assinalou a agência espacial americana.A inspeção se tornou uma operação de rotina desde a tragédia da nave "Columbia", em 1º de fevereiro de 2003. Naquela ocasião, a nave se desintegrou ao entrar na atmosfera quando voltava de uma missão de 16 dias, em um incidente que tirou a vida de seus sete tripulantes.A tragédia foi provocada por um pedaço de material isolante, que ao se soltar perfurou o lado esquerdo da nave e causou a explosão do Colúmbia ao entrar na atmosfera sobre o território do estado do Texas. Desde então, os lançamentos tiveram que ser feitos de dia para que as câmeras tivessem uma visão clara da estrutura da nave e do tanque externo.Durante seu acoplamento à ISS, os astronautas do Discovery farão três caminhadas espaciais, a primeira amanhã, para montar um novo circuito elétrico do complexo. Também acrescentarão um novo módulo e uma viga à estrutura central da ISS, uma empreitada conjunta da Nasa, da Agência Espacial Européia, da Rússia, do Japão e do Canadá que entrou na órbitaterrestre em 1999."Muitos de nós consideram que esta é a operação mais difícil que a ISS fará desde que iniciamos a operação de montagem" em 1999, disse Mike Suffredini, diretor da estação espacial no Centro Espacial Kennedy. A Nasa prevê outras 14 missões para concluir a construção do complexo espacial antes de 2010. Nesse ano, as naves, que estão operando há mais de 20 anos, serão substituídas por outras maiores e com maior capacidade de carga. As novas naves serão usadas também para as próximas viagenstripuladas à Lua e, posteriormente, a Marte.Além de Polansky, Reitr e Williams, os outros membros da tripulação do Discovery são os especialistas Robert Curbeam, Joan Higginbotham, Nicholas Patrick e Christer Fuglesang.

Agencia Estado,

11 de dezembro de 2006 | 22h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.