Charlie Neibergall/AP
Charlie Neibergall/AP

Disputa acirrada entre Obama e Romney aumenta importância do voto judaico nos EUA

Comunidade judaica representa só 2% da população americana, mas é organizada e tem influência política

Caio Quero, BBC

24 de outubro de 2012 | 06h24

WASHINGTON - Se na área doméstica questões como a economia e a reforma da saúde continuam dominando a campanha presidencial americana, no debate sobre política externa a relação com Israel é um tema constante.

Veja também:

linkObama parte para ataque contra rival Republicano

linkApós último debate presidencial dos EUA, candidatos retomam campanhas

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O republicano Mitt Romney acusa o democrata Barack Obama de sacrificar a aliança dos Estados Unidos com o país. Já o atual presidente defende as ações de seu governo na região. Mas, ambos os partidos miram um objetivo bem mais próximo: a conquista dos votos da comunidade judaica americana.

Embora muito menos numerosos que outras minorias, como os hispânicos, o voto dos judeus americanos pode ser decisivo em uma eleição apertada, onde a maioria das pesquisas, com algumas variações, mostra os dois candidatos tecnicamente empatados.

Compondo cerca de 2% da população dos EUA, a importância da comunidade judaica na disputa deve-se, de acordo com analistas ouvidos pela BBC Brasil, a sua participação política e organização. A comunidade registra altos índices de comparecimento às urnas e está distribuída em Estados com maior peso no Colégio Eleitoral.

"Os judeus geralmente conseguem uma atenção muito maior (dos políticos) do que se poderia esperar. Isso acontece em parte por causa dos lugares onde estão localizados e em parte por causa de suas características sociais e políticas", diz Kenneth D. Wald, professor de Ciência Política da Universidade da Flórida especializado nas relações entre religião e política.

"Embora sejam um pequeno grupo de pessoas, eles são muito importantes em termos de registro de eleitores, participação política, comparecimento às urnas e doações às campanhas. Assim, eles são vistos como um eleitorado muito mobilizado, que é bom ter ao seu lado", diz Wald.

Estados-pêndulo e tendência democrata

"Esta eleição presidencial será decidida nesses Estados, e o voto dos judeus em alguns desses lugares já se provou determinante em eleições anteriores", diz Mark A. Siegel, doutor em Ciência Política e que atuou como assessor da Casa Branca para questões relacionadas à comunidade judaica durante o governo de Jimmy Carter (1977-1981).

Segundo Siegel, tradicionalmente cerca de 80% dos votos dos judeus-americanos vai para candidatos do Partido Democrata, em uma tendência discrepante do restante do eleitorado branco nos EUA.

De fato, nas eleições de 2008, Barack Obama recebeu 78% dos votos de judeus, contra 43% do eleitorado branco de modo geral. Siegel calcula que, se a comunidade judaica tivesse um comportamento mais parecido com o do restante do eleitorado branco, Obama teria tido uma vitória mais apertada no Estado do Colorado.

Também poderia ter perdido na Flórida, um dos Estados com maior peso no Colégio Eleitoral, contando então com 27 votos.

"Todos esperamos que esta eleição seja muito, muito apertada. Na última eleição, Obama venceu (John) McCain por 7% do voto popular e nós não esperamos este tipo de número agora", diz.

Ele afirma que, em uma eleição disputada, os números do voto da comunidade judaica podem "trazer mudanças significativas no Colégio Eleitoral que, obviamente, podem afetar o resultado geral".

Neste ano, Obama deve contar novamente com o apoio da maioria dos judeus americanos, embora em menor grau. De acordo com uma pesquisa realizada no início de setembro pelo American Jewish Committee (AJC) - grupo de defesa da comunidade judaica sediado em Nova York - 64,9% dos judeus deve votar em Obama, contra 24,1% em Romney. A margem de erro da pesquisa é de 5 pontos percentuais.

Pressão

Além do peso do voto judeu em Estados-chave, a atuação de grupos de pressão pró-Israel é algumas vezes apontada como um dos fatores para a influência da comunidade judaica nos EUA, embora o real impacto dessas entidades no processo eleitoral americano não seja consenso entre os analistas.

O mais conhecido desses grupos talvez seja a AIPAC (American Israel Public Affairs Committee), entidade que trabalha na defesa da cooperação entre EUA e Israel entre membros do Legislativo e do Executivo americano. Em seu website, a entidade afirma ter sido classificada pelo jornal The New York Times como "a mais importante organização afetando a relação dos Estados Unidos com Israel".

De acordo com Mark Siegel, a importância do grupo se dá principalmente pelo trabalho que faz avaliando o apoio de deputados, senadores e membros do Executivo à aliança entre EUA e Israel e reportando suas conclusões aos seus mais de 100 mil membros.

"Eles estão muito mais envolvidos em campanhas para o Congresso e para o Senado do que em campanhas presidenciais, mas têm presença nas convenções democrata e republicana (....). Eles são um bom modelo de um grupo de lobby e como deve ser organizado", diz. A atividade de lobby é regulamentada nos Estados Unidos.

Embora alguns analistas vejam uma grande influência de grupos como a AIPAC na definição das políticas americanas para o Oriente Médio, outros, como Kenneth Wald, consideram que essa influência é por vezes superestimada.

"Eu acho que a influência da AIPAC é muito exagerada. Ela é muito mais um sintoma das alianças dos EUA do que a causa dessa aliança", diz Wald. "É muito fácil defender Israel nos Estados Unidos porque muitos dos oponentes de Israel são vistos como oponentes violentos dos Estados Unidos, então é uma aliança natural".

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.