Disputa por terras mata ao menos 48 em vilarejo no Quênia

Homens armados com facões, lanças, arcos e flechas trancaram aldeões quenianos em suas casas, incendiaram as estruturas e mataram qualquer um que tentou escapar, deixando pelo menos 48 mortos na madrugada, disseram policiais e trabalhadores de agências humanitárias.

JOSE, Reuters

22 de agosto de 2012 | 15h05

O ataque na região costeira do Quênia foi parte de uma longa disputa entre os grupos Pokomo e Orma por controle de terra para pasto e água, informou a polícia.

"Eles estavam armados com armas rudimentares: facões, arcos e flechas e lanças. Alguns tinham armas. Como resultado, perdemos 31 mulheres, 11 crianças e seis homens, no total de 48", disse o vice-chefe de polícia da área, Robert Kitur, à Reuters por telefone.

Um funcionário da Cruz Vermelha queniana, que pediu para não ser identificado, disse que eles haviam contado 59 corpos, e o grupo tinha transportado mais de 40 pessoas feridas para um hospital em Malindi, a 150 quilômetros de distância do local do crime.

"Muitos dos feridos são mulheres e crianças com queimaduras graves. Onze têm cortes profundos em suas cabeças e outras partes do corpo", disse o oficial à Reuters.

"Eu contei sete com ferimentos de bala. Nós tentamos estabilizá-los, mas, honestamente, será um milagre se todos chegarem ao hospital vivos."

Mais conteúdo sobre:
QUENIAATAQUEFACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.