Dissidente chinês Ai Weiwei fica sem Twitter e viajar, diz fonte

Não falar à imprensa, tuitar ou viajar durante um ano. Essas são algumas das condições impostas para a libertação do dissidente chinês Ai Weiwei, após dois meses de prisão, disse à Reuters nesta sexta-feira uma fonte a par do caso.

REUTERS

24 Junho 2011 | 09h14

Como parte dos esforços do governo chinês para amordaçar a dissidência, Ai não poderá postar nada no Twitter nem dar entrevistas por um ano.

"A parte principal são estas duas condições - a mídia e a Internet", disse a fonte.

Ai tem liberdade de movimento em Pequim, mas "antes de sair ele precisa lhes informar seu paradeiro" durante um ano, afirmou a fonte, sem especificar a quem Ai tem de se reportar.

(Reportagem de Sui-Lee Wee)

Mais conteúdo sobre:
CHINAAIWEIWEIDISSIDENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.