Distribuidoras tentam normalizar abastecimento

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom) informou, por meio de nota, que suas associadas estão se empenhando, utilizando inclusive escolta policial, para retomar, ainda hoje, algumas operações de entrega de combustíveis a partir de suas bases de distribuição na Grande São Paulo.

AE, Agência Estado

06 Março 2012 | 21h15

Segundo o sindicato, durante a tarde de hoje foram realizadas entregas para alguns serviços essenciais (coleta de lixo, hospitais etc.), com destaque para o aeroporto de Congonhas, cujos estoques encontram-se assegurados para o atendimento das companhias aéreas.

"As distribuidoras do Sindicom reiteram seu compromisso com o abastecimento da cidade, mas ressaltam que, apesar do engajamento das equipes da Polícia Militar, têm encontrado grande dificuldade em mobilizar transportadores e motoristas a realizar estas operações, em função dos diversos ataques, agressões e intimidações realizados por manifestantes nas manhãs de ontem e hoje", afirma o texto.

Estão sendo planejados comboios para entregas aos postos, ainda em volumes reduzidos, com a garantia das Polícias Militar e Civil de São Paulo.

O sindicato informou ainda que foi deferida liminar pela justiça estadual em São Caetano do Sul (2ª Vara Cível), assegurando às associadas do Sindicom o direito de livre trânsito dos caminhões-tanque, com a necessária escolta policial, estando prevista a responsabilização das lideranças dos manifestantes (piqueteiros) por prejuízos causados às empresas e danos a veículos ou bens.

Mais conteúdo sobre:
caminhoesprotestosabastecimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.