Divórcios aumentam quase 20% em 2007 na China

No ano passado 1,4 milhão de casais se separaram; leis que facilitam divórcio ajudaram.

Da BBC Brasil, BBC

25 de janeiro de 2008 | 09h25

A taxa de divórcios na China aumentou em quase 20% em 2007, segundo o Ministério dos Negócios Civis do país.Cerca de 1,4 milhão de casais de divorciaram no ano passado, um aumento de 18,2% em relação a 2006. Segundo a agência estatal de notícias chinesa, Xinhua, o número de divórcios no país está aumentando desde 1980, quando o número de casais que se divorciaram foi de 341 mil.Segundo o correspondente da BBC em Pequim Daniel Griffiths várias razões podem explicar o fenômeno, entre elas, uma mudança da lei que facilita os trâmites do divórcio.Uma nova regulamentação implantada em 2003 simplificou o procedimento, permitindo que os casais se divorciem num prazo de um dia a um custo de 10 iuan (cerca de R$ 2,44).Antes da nova lei, os casais tinham que pedir permissão dos empregadores ou de comitês comunitários para o divórcio. Muitos também desistiam do divórcio para evitar o constrangimento público.Filhos únicosOutros fatores para explicar o aumento no número de divórcios seriam a extensão de turnos de trabalho e pressões sobre pessoas que migraram de zonas rurais para a cidade em busca de trabalho.A política do filho único adotada na China, segundo Griffiths, também teria responsabilidade no fenômeno, por fomentar a formação de uma geração de adultos que se concentra em suas próprias necessidades e seria incapaz de manter um relacionamento.Chen Xinxin, especialista do Instituto de Estudos da Mulher da China, afirmou que mais mulheres conseguiram a independência financeira e estão determinadas a ficarem solteiras."Isto também contribuiu para a alta incidência de divórcios", disse.Mas o governo também relatou um aumento no número de casamentos em 2007, da ordem de 12%, em relação a 2006. Foram 9,5 milhões de casamentos.O aumento nos divórcios não significa que os chineses estão perdendo a fé no casamento, disse Xu Anqi, da Academia de Ciências Sociais de Xangai à agência Xinhua."Eles procuram casamentos de maior qualidade. As expectativas estão mais altas. As coisas que casais agüentavam há dez anos não são mais toleradas atualmente", disse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.