Thomas White/Reuters
Thomas White/Reuters

Do museu direto para a sua casa

Produtos inspirados em grandes acervos são atrações à parte nas lojinhas ou nos websites das galerias

Bruna Tiussu,

22 de fevereiro de 2011 | 07h00

A cada museu visitado, o ritual se repete: depois de boas horas entre as preciosidades do acervo, uma pausa na lojinha, quase sempre estrategicamente instalada perto da saída. Os produtos coloridos, modernos e, em grande parte, exclusivos só precisam de alguns segundos para prender sua atenção. Tal qual uma obra de arte.

 

E a visita que pode até ter começado como uma mera curiosidade de turista não raro tem como resultado itens a mais na bagagem. Também, pudera. Como não desejar um dos relógios com estampas inspiradas nos quadros do Metropolitan Museum de Nova York? Ou a coleção de calendários ilustrados com obras impressionistas que você acabou de apreciar lá dentro?

 

As butiques dos grandes museus da Big Apple, vale ressaltar, estão no topo da lista das mais cobiçadas mundo afora. A do MoMA é imbatível no quesito modernidade. Exibe uma imensa variedade de itens de cozinha, escritório e decoração que você vai sonhar em ter em casa.

 

Se apaixonou por aquela poltrona ou voltou para casa e se arrependeu de não ter trazido alguns presentinhos? Sem problemas. Para não desapontar até os fãs mais distantes, esses museus dão a opção de compra online e fazem entregas, inclusive no Brasil. A taxa de envio, porém, pode ser um tanto salgada: é calculada de acordo com o peso da mercadoria e começa, aproximadamente, em US$ 30.

 

Galerias e museus ingleses seguiram essa tendência. A linha de produtos inspirados na pedra de roseta, que enchem as prateleiras da loja do British Museum, também está disponível no site da instituição. Basta eleger entre mochila, caneca, camiseta, carteira... Na página da National Gallery, da Tate Britain e da Modern, só para citar mais alguns, também são encontrados seus itens exclusivos, desenhados a partir de peças do acervo.

 

Atração extra. Todo mundo já sabe que, para ver o imenso acervo do Louvre (com 400 mil itens) é preciso mais que um dia. Acredite: o mesmo vale para sua galeria de compras, o Carrousel du Louvre. Ocupando todo o subsolo do museu, o espaço mais parece um shopping center.

 

Diante de tantas lojas - e de uma multidão -, pode ser complicado encontrar as típicas lembrancinhas de museu. Se essa for sua intenção, a opção virtual é mais indicada. Os museus e galerias do país foram ainda mais longe e reuniram seus produtos em um único site. Acesse e divirta-se escolhendo o que colocar no carrinho: os imãs do Museu d’Orsay, os catálogos do Centre Pompidou ou as joias inspiradas na coleção egípcia do Louvre.

 

 

Quase shopping

 

Uma megastore da Apple e unidades das francesas L’Occitane, Sephora e La Maison du Chocolat são algumas atrações do Carrousel, frequentado até por quem por quem está de passagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.