Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dois ministros renunciam na Tunísia; Bolsa para de funcionar

Dois ministros do governo provisório tunisiano renunciaram na segunda-feira, cedendo às exigências de manifestantes para que todos os membros do antigo regime sejam expurgados do atual gabinete.

REUTERS

28 de fevereiro de 2011 | 17h00

A Bolsa de Valores de Túnis anunciou a suspensão das suas operações "a fim de proteger as economias investidas em títulos", numa medida que reflete a instabilidade que continua dominando o país desde a rebelião que depôs o líder Zine al Abidine Ben Ali, em janeiro.

No domingo, o primeiro-ministro Mohamed Ghannouchi, que já ocupava esse cargo sob o comando de Ben Ali, também renunciou. Depois disso, os titulares das pastas de Indústria e Tecnologia, Mohamed Afif Chelbi, e do Planejamento e Cooperação Internacional, Mohamed Nouri Jouini, passaram a ser os únicos remanescentes do governo de Ben Ali.

A agência estatal de notícias TAP anunciou primeiro a renúncia de Chelbi, e horas depois a de Jouini. Não foram dadas explicações para as demissões, nem citados nomes de substitutos.

Ben Ali, que passou 23 anos no poder, fugiu para a Arábia Saudita diante da onda de protestos que se espalhou depois para o mundo árabe. O governo provisório que o substituiu continuou enfrentando manifestações, algumas delas violentas.

Ghannouchi foi substituído por Beji Caid Sebsi, que havia sido chanceler do país no governo de Habib Bourguiba, primeiro presidente da Tunísia pós-independência.

(Reportagem de Tarek Amara)

Tudo o que sabemos sobre:
TUNISIAMINISTROS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.