Dois preços, duas medidas

No fim de maio, a Sony promoveu em São Paulo um evento superproduzido, com direito à presença do CEO da empresa, o japonês Kazuo Hirai. O objetivo era mostrar que a fabricante estava com tudo em cima para se manter no competitivo mundo conectado e móvel.

O Estado de S.Paulo

09 Julho 2012 | 03h07

Entre as novidades estavam três novos modelos do smartphone da linha Xperia, cada um em faixas de preço e configuração bastante distintas.

Recebemos as duas pontas do trio para testar: o top de linha Xperia S, com preço sugerido de R$ 1.799 e o mais em conta, o Xperia U, com preço (também sugerido) de R$ 899. O modelo do meio, o Xperia P, ainda não tem previsão de lançamento (os outros dois já estão nas lojas).

Na época, foi anunciado que os dois modelos usariam a penúltima versão do sistema Android, a 4.0. Na prática isso ainda não aconteceu: eles ainda são vendidos com a versão 2.3 do sistema do Google. No exterior, os modelos já receberam a atualização. No Brasil, ela está prometida para "muito breve".

O processamento do Xperia S é ótimo. Tudo flui muito rápido e suave sob os dedos graças ao processador de 1,5 GHz.

Outro item que impressiona no Xperia S é a câmera de 12 MP, o número mais alto do mercado, que filma em HD 1080p. A câmera frontal também é respeitável, com seus 1,3 MP e vídeo HD 720p. Ambas vêm com uma porção de recursos, incluindo opções em 3D. Com 342 ppi (pixels por polegada), a tela tem resolução maior que o Galaxy S III e o iPhone 4S.

Os dois modelos vêm com uma graça no design, que é uma faixa transparente perto da base do telefone. É bonita, mas não serve para muito. Acende quando o telefone está em uso e traz os ícones das teclas "back", "home" e "menu", cujos botões ficam logo acima (mas que nem sempre respondem muito bem). Ainda no design, o grandalhão S é meio desajeitado na mão. O peso é de 144 gramas.

O Xperia U é um irmão mais compacto, com especificações mais modestas, mas de excelente custo-benefício. Pena que o armazenamento seja só de 4 GB e ele não aceite cartão SD, o que poderia aumentar seu espaço interno.

Camilo Rocha | camilo.rocha@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.