Dólar ajuda a pressionar inflação pelo IGP-DI

O dólar mais alta pressionou a inflação medida pelo Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI), que acelerou a 0,75 por cento em setembro, ante 0,61 por cento em agosto. Os efeitos cambiais podem se ampliar em outubro.

REUTERS

06 Outubro 2011 | 13h57

A leitura do mês passado foi a mais alta desde fevereiro.

"O IGP de setembro traz em grande parte um efeito do câmbio, mas houve ainda outros efeitos além do dólar", disse o economista da FGV, Salomão Quadros.

"O impacto do câmbio vai se estender para outubro e a influência deve ser mais forte. O efeito do dólar vem aos poucos e muitos contratos e transações ainda foram feitas com o câmbio defasado."

O economista informou que a aceleração do dólar afetou produtos agrícolas, agropecuários e industriais.

Entre os industrias foram detectadas altas em produtos como ácido sulfúrico, amônia, aço inoxidável e farelo de soja. Na parte agrícola aparecem soja, milho e café.

"Todos têm efeito do dólar. O café tem ainda a bianualidade da produção. Milho e soja foram produtos que subiram no mercado mundial por questões de oferta, e, ainda sofreram o impacto do cambio", disse Quadros.

O minério de ferro, cujo contrato é negociado em dólar, subiu entre agosto e setembro de 2,10 para 3,66 por cento.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) avançou 0,94 por cento no mês passado, ante 0,77 por cento em agosto.

Apesar da expectativa de efeito cambial, o varejo pode ter o impacto atenuado pela queda de alguns produtos importantes: carnes bovinas e aves estão em queda no atacado e isso deve se refletir no preço ao consumidor.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) teve avanço de 0,50 por cento, contra 0,40 por cento.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 0,14 por cento, ante alta anterior de 0,13 por cento.

No ano até setembro, o IGP-DI acumulou alta de 4,30 por cento e nos 12 meses, de 7,45 por cento.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier e Vanessa Stelzer)

Mais conteúdo sobre:
INFLACAO IGPDI ATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.