Dono da Gol é indiciado por mais um homicídio no DF

O empresário Nenê Constantino, dono da empresa aérea Gol, foi indiciado pela Polícia Civil de Brasília por um homicídio e por uma tentativa de homicídio. O empresário é acusado de organizar os crimes, ocorridos em fevereiro de 2005. As vítimas moravam num terreno de Constantino que foi invadido por 70 famílias. Segundo a rádio CBN, a informação foi divulgada hoje numa entrevista coletiva em Brasília. No início deste mês, a polícia de Brasília informou o indiciamento de Constantino por outro homicídio. Ele é acusado de mandar matar um morador do terreno em outubro de 2001. Ao aprofundar as investigações de balística, a perícia constatou que a mesma arma foi usada no crime. O empresário negou as acusações. Outros dois funcionários de Constantino foram indiciados pelos crimes. Se condenados, eles podem pegar até 30 anos de prisão por cada um dos homicídios.

PAULO MACIEL, Agencia Estado

30 Dezembro 2008 | 17h48

Mais conteúdo sobre:
violência homicídio Gol Nenê Constantino

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.