Dono de restaurante planejou sequestro, diz delegado

A polícia descobriu que o sequestro da irmã do atacante Hull, Angélica Pereira da Silva, foi planejado pelo próprio dono do restaurante em que ela trabalha, Hélio Pereira da Silva, em Campina Grande (PB), disse o delegado do caso, Glauber Fontes. O dinheiro do resgate, de R$ 300 mil, seria para pagar dívidas do restaurante CSB Refeições Coletivas, de Hélio Pereira, e do sócio do restaurante, o ex-candidato a vereador Rodolfo Barbosa Sousa, 21. Somente Hélio devia R$ 110 mil e o ex-vereador, dívidas de campanha.

JANAÍNA ARAÚJO, Agência Estado

07 de novembro de 2012 | 19h25

Angélica foi sequestrada na tarde de segunda-feira (5) por homens armados. Ela conseguiu negociar a própria fuga com um dos bandidos, que a vigiava no cativeiro. Ela ofereceu R$ 6 mil ao sequestrador para fugir. A vítima disse que o dinheiro seria entregue no dia seguinte à fuga.

O empresário Hélio Pereira teve a prisão decretada enquanto era ouvido na Central de Polícia em decorrência das contradições apresentadas. Foi ele quem entregou os outros companheiros. Victor Hugo Henrique da Silva, 20, e José Eliton de Melo Santos, 28 anos, cliente do restaurante, também foram presos na terça-feira e levados ao Presídio do Serrotão, em Campina Grande. Rodolfo Sousa está foragido. Eles foram autuados por extorsão mediante sequestro qualificado e formação de quadrilha. De acordo com o delegado, Glauber Fontes, o grupo planejou o sequestro há dois meses.

Tudo o que sabemos sobre:
sequestroirmãjogador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.