Dose única de vacina confunde idoso

Pessoas esperavam duas injeções quando foram informadas de que só uma já protegeria contra as gripes suína e sazonal

, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2010 | 00h00

O uso de uma vacina só para imunizar idosos contra a gripe comum e a suína, em vez de duas injeções, causou confusão naqueles que compareceram aos postos de saúde nos últimos dias. O Ministério da Saúde tinha divulgado que as vacinas seriam dadas separadamente. Dessa maneira, idosos com doenças crônicas (únicos com recomendação para a vacina da gripe suína) tomariam uma picada em um braço para uma vacina e a outra no outro braço.

Mas problemas com parte dos imunizantes importados da França e que seriam acondicionados no Instituto Butantã, ligado ao governo de São Paulo, levaram à compra da vacina de dose única (para gripe comum e suína), importada. A dose única chama-se vacina trivalente, porque leva material de dois vírus da gripe comum e o da suína.

A vacinação contra a gripe comum havia começado atrasada no Sudeste, no Centro-Oeste e no Nordeste, por problemas do Butantã para dar conta do quantitativo de imunizantes.

Em nota, o governo de São Paulo informou ontem que deveria formular e entregar 18 milhões de doses, mas entregou apenas 16 milhões, que passaram em testes de qualidade. Os 2 milhões restantes não foram aprovados e o órgão foi ao mercado comprar a vacina trivalente. Segundo o governo estadual, o imunizante não traz nenhum risco.

Desconfiança. "Eles falaram que era uma picada só, daí a gente fica meio assim, fiquei meio desconfiado", disse o portuário aposentado Waldemar Ferreira de Almeida, de 72 anos, que se vacinou na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro do Campo Grande no último sábado, em Santos.

Almeida conta que conseguiu se vacinar apenas na segunda vez em que foi ao posto, por volta das 15 horas. "Eu tinha ido às 10 horas e já tinha acabado. Fiquei revoltado", disse o aposentado, que na tarde do mesmo dia soube que a vacinação havia sido retomada e retornou ao local.

O secretário da Saúde de Santos, Odílio Rodrigues, afirmou que a vacina acabou no sábado pela manhã, o que gerou desabastecimento pontual. Segundo ele, a prefeitura foi buscar em almoxarifado do governo estadual novos lotes e veio a vacina trivalente. "Recebemos apenas um informe. Não há problema em tomar, mesmo que a pessoa já tivesse recebido a dose única contra a gripe suína", afirmou.

Os postos de saúde do Estado do Rio também tiveram movimento dentro do esperado nos primeiros dias da vacinação da gripe comum para idosos, segundo a Secretaria de Saúde.

De 30 a 39 anos. O início da vacinação contra a gripe comum para idosos e da gripe suína para a faixa de 30 a 39 anos provocou movimento intenso nos postos da cidade de São Paulo. As filas eram extensas em todas unidades visitadas pela reportagem, mas os pacientes informaram que o atendimento estava sendo rápido. Não houve registro de falta de vacina. A média de espera era de 15 minutos.

A Secretaria Estadual da Saúde estima que 6,7 milhões de paulistas entre 30 e 39 anos devem se vacinar. / FABIANE LEITE, REJANE LIMA e BRUNO BOGHOSSIAN

PRESTE ATENÇÃO

1. Dose única. Dois milhões de doses foram entregues. Uma única injeção é suficiente para imunizar contra a gripe sazonal e suína: a dose já tem amostras inativadas de dois vírus da gripe comum e a do vírus H1N1.

2.Duas imunizações. A maioria das vacinas contra a gripe sazonal não inclui amostras inativadas do vírus da gripe suína, o H1N1. Por isso, são necessárias duas injeções em alguns idosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.